Pesquisa no Rio estuda rejeição ao “Bandido Bom é Bandido Morto” 
Rio de Janeiro bate recorde de homicídios 
256 cidades do Estado de São Paulo não possuem Delegado 
por Danillo FerreiraO ano de 2008 chega ao seu fim, e para os policiais este foi um período em que gozamos de ímpar notoriedade, mais pelos problemas por que passam as instituições policiais do que por outros aspectos. Foi o ano em que o filme Tropa de Elite ganhou visibilidade internacional, e ao tempo em que foi chamado de "monótona celebração da violência, um filme de recrutamento para fascistas brutamontes", recebeu o Urso de Ouro. Na Bahia, gerando expectativas no meio policial, houve mudança de Secretário de Segurança Pública e de Comandante Geral da PMBA. E apesar de alguns questionamentos, muitos ficaram satisfeitos com o auxílio Bolsa Formação fornecido pelo Governo Federal, onde policiais de todo o Brasil que ganham menos de R$1700,00 bruto, tiveram sua renda complementada com mais R$400,00. Mas o que é bom dura pouco: o Ministro da Justiça anunciou a poucos dias a possibilidade de suspensão da Bolsa.O STF decidiu: a PM é autoridade para lavrar termo circunstanciado, mas essa é uma questão que deve ser decidida, em comum acordo, entre as organizações policiais de cada estado. Aqui na Bahia o acordo demorou de sair em relação ao aumento salarial da Polícia Civil e da PMBA: a primeira, através do Sindicato, entrou em greve, a segunda, através das associações de praças, ameaçou. Ainda na Bahia, a Academia de Polícia Militar realizou duas jornadas acadêmicas: a JAPAR e a JIPOM, e em todas duas todos os colaboradores deste blog participaram, comentando seus erros e acertos.Em junho, integrantes da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro realizaram uma abordagem a veículo desastrada, onde o menino João Roberto veio a falecer alvejado por tiros. Logo depois, o PM foi absolvido da acusação de homicídio, para a indignação da mídia e dos familiares do garoto. Houve muita celeuma em torno das novas cores das viaturas da PMBA, e da mudança de uniforme que, apesar do que a imprensa disse, até hoje é o mesmo. O currículo do Curso de Formação de Oficiais mudou, e 2008 foi quando o Abordagem Policial completou seu primeiro ano de existência.Após a Polícia Federal prender alguns nobres cidadãos, eis que se cria novas regras para o uso de algemas, e todos se perguntam para quem serve a polícia brasileira. Pergunta que também foi feita quando uma estudante da UFBA foi estuprada e se questionou os motivos de não ter a polícia militar no campus. A justificativa da diretora do curso de dança da Universidade foi que"Não podemos aceitar nunca a PM dentro do campus. Eles são tratados como animais, agem como animais e são capazes de matar como qualquer bandido. Não podemos trazer pessoas desqualificadas para fazer a segurança dos nossos alunos."E por falar em dança, quem esquecerá a "Dança da Periquita", encenada por um policial do Estado de São Paulo, num módulo da PMESP?A ONU publicou um relatório onde se detectou que "As execuções extrajudiciais são cometidas por policiais que assassinam em vez de prender um suspeito de cometer um crime, e também durante o policiamento confrontacional de grande escala seguindo o estilo de 'guerra', onde o uso de força excessiva resulta nas mortes de suspeitos de crimes e de pessoas na proximidade".Em Santo André, ocorreu o fato envolvendo a polícia que certamente mais teve os holofotes da mídia: o seqüestro das jovens Eloá e Nayara, onde a primeira veio a óbito por uma ação do perpetrador, seu ex-namorado, Lindemberg. A atuação no gerenciamento da crise, realizada pelo GATE, da PMESP, foi questionada e criticada. Pouco tempo depois, mais um fato lamentável colocou a polícia paulista em evidência: o embate entre a Polícia Civil, que protestava por melhorias salariais, e a Polícia Militar, que tentava salvaguardar a integridade do Palácio do Governador, José Serra. O resultado foi o recrudescimento de rixas e rivalidades entre instituições que devem ter mais afinidades do que discrepâncias. Em novembro, ocorreu a catástrofe em Santa Catarina, onde os esforços dos policiais e dos bombeiros militares foram, como nunca, importantes no Estado. A PMBA foi discutida por causa dum projeto de lei que mudava alguns aspectos estruturais e de carreira, enquanto a PCBA entrou em greve reivindicando a aprovação da lei orgânica que muda profundamente os aspectos estruturais e de carreira. 2008 foi o ano em que blogueiros policiais sofreram medidas administrativas/penais pelo que escreveram em seus blogs. O ano em que mais de 35 policiais militares morreram na Bahia.Grande parte do que nos faz lembrar segurança pública neste ano de 2008 são fatos negativos, erros, acidentes e até mesmo incidentes que fizeram a sociedade em geral olhar para a polícia e os policiais de canto de olho. E talvez aí esteja um dos grandes desestímulos da profissão: não ter muito reconhecimento por parte dos usuários do seu serviço, os cidadãos. Ao contrário, muitas vezes a parte é tomada pelo todo, e os visivelmente maus tornam os bons invisíveis. O desafio, não só para 2009 mas para os próximos anos, é de nos impormos como profissionais, imbuídos dos preceitos de cidadania e democracia, tolerantes, mas não permissivos. Esse é um objetivo não só institucional, mas que passa pessoalmente por cada coronel, agente, soldado, capitão, perito, etc. "Para mudar o mundo, basta mudar o homem". Que cada policial olhe para 2008 se perguntando: o que fiz para melhorar a sociedade? Vislumbrando 2009 e comprometendo-se: o que posso fazer para melhorar a sociedade?