Recurso de Infração de Trânsito

38 Flares 38 Flares ×

Recurso de Infração Multa de Trânsito

A multa de trânsito é considerada um terror para os condutores de veículos. Vez ou outra um amigo me liga, pedindo ajuda para formular um Recurso de Infração de Trânsito, dizendo que por eu ser policial, sei identificar melhor as falhas numa autuação etc. Sempre lembro que o correto é andar na linha, cumprir rigorosamente as normas estabelecidas pelo Código Brasileiro de Trânsito e suas resoluções, para não correr riscos de gastar dinheiro à tôa. Mas se por algum motivo você foi autuado e está achando o procedimento injusto, a Constituição Federal lhe garante o direito da ampla defesa, podendo então exercê-la através do Recurso de Infração de Trânsito, onde apontará os porquês da autuação ter sido injusta.

Antes de falarmos propriamente do Recurso de Infração, vamos entender a diferença entre três conceitos fundamentais relacionados à infração de trânsito: autuação, notificação e multa.

Diferença: autuação, notificação e multa

Quando algum condutor de veículo pratica uma infração de trânsito, e essa infração é detectada por qualquer agente de trânsito, este deverá confeccionar um documento chamado Auto de Infração de Trânsito (AIT), onde constará todas as peculiaridades da infração, desde o nome do infrator e placa do veículo até o artigo que identifica a infração no código. À lavratura deste documento chamamos “autuação”, que nada mais é que o registro de que foi detectada a infração de trânsito.

A notificação é a informação ao proprietário de que foi detectado que uma infração foi cometida com o seu veículo. Caso no momento da infração o veículo não estivesse sob sua responsabilidade, a notificação recomenda que ele indique o condutor responsável. O prazo para que o órgão de trânsito notifique o proprietário é de 30 dias, a contar da data do cometimento da infração. Notem que se o condutor assinar, no momento da autuação pelo agente de trânsito, o AIT, este já está declarando estar ciente da infração, logo, já estará notificado.

Já a multa, é uma penalidade prevista no Código de Trânsito para determinadas infrações, sendo classificadas em leve, média, grave e gravíssima. Isso significa que o agente de trânsito não tem o poder de multar, no máximo, podendo autuar e, caso o infrator se disponha a assinar o Auto, formalmente notificá-lo. Todos os autos são remetidos à autoridade competente da circunscrição para que seja julgada sua consistência, e, se for o caso, se aplicará a penalidade cabível.

Recurso Infração Multa Trânsito

Recursos e Defesa : prazos e inconsistências comuns

Como já disse, a Constituição Federal garante a todo cidadão o direito de se defender da acusação de cometimento de qualquer infração. Por isso, no Direito do Trânsito, toda vez que alguém é notificado por uma infração, ele tem o direito de interpor recurso, expondo motivos que provem a inconsistência do auto de infração de trânsito ou em outro procedimento relativo à infração. O prazo para que a defesa da autuação, seja apresentada é o mesmo dado para que o proprietário indique o condutor responsável, e já vem expresso na notificação. Essa é a chamada “defesa prévia”, e pode ser emitida pelo acusado assim que fique ciente da autuação.

Além dessa defesa prévia, existem duas possibilidades de recurso:

Recurso em Primeira Instância

Este só pode ser apresentada após a notificação, devendo ser interposto até a data do vencimento da multa. Após o vencimento da multa o recurso interposto será considerado Intempestivo, não havendo mais obrigatoriedade do julgamento por parte da autoridade de trânsito. É bom lembrar que o não-pagamento da multa até o seu vencimento elimina a concessão de 20% de desconto no seu valor.

Recurso em Segunda Instância

O recurso em segunda instância serve para contestar o julgamento do Recurso de Primeira Instância, mas percebam que aqui é exigível que o infrator tenha já pago a multa.

Para que injustiças não sejam cometidas, é importante que o cidadão autuado observe se não há falhas nos procedimentos referentes à autuação. Abaixo, listamos incosistências comuns, que devem ser observadas também pelos agentes de trânsito, que ao cometer tais falhas estão contribuindo para não punir um infrator:

– Erro de digitação;
– Impossibilidade do cometimento de infração com determinado veículo;
– Divergência de marca, modelo ou cor do veículo autuado;
– Erro na identificação do local da infração;
– Não-cumprimento dos prazos (principalmente de notificação);
– Inexistência de competência do agente.

Junto a cada órgão ou entidade executivos de trânsito ou rodoviário funcionarão Juntas Administrativas de Recursos de Infrações – JARI, órgãos colegiados responsáveis pelo julgamento dos recursos interpostos contra penalidades por eles impostas. As JARI têm regimento próprio e apoio administrativo e financeiro do órgão ou entidade junto ao qual funcionam.

Geralmente os próprios órgãos de trânsito disponibilizam o modelo de documento para confecção das defesas e recursos de multa de trânsito, mas deixo a sugestão ao leitor duma série de modelos que o site Celtral Jurídica disponibiliza, já com o corpo do documento tratando das incosistências comuns, divididas em “Nulidades do Ato de Infração” e “Defesa Quanto à Materialidade da Infração”. Mas lembrem sempre: o ideal é não precisar sequer fazer recursos, e sempre cumprir o que dispõe o CTB e suas resoluções.

Comments

  1. Por José Luis

    Responder
  2. Por Recurso de Multa

    Responder
  3. Por Recurso de Multa

    Responder
  4. Por Alex Souza

    Responder
  5. Por Nice Siqueira

    Responder
    • Por wanda

      Responder
  6. Por Jéssica Ferreira Mesdonça

    Responder
  7. Por oliveira

    Responder
  8. Por GILBERTO SCHUTZ JUNIOR

    Responder
    • Por paula

      Responder
  9. Por Jucélia

    Responder
  10. Por Gustavo Hiroshi Fukuda

    Responder
  11. Por Caio Caires

    Responder
  12. Por Caio Caires

    Responder
  13. Por Raimundo Nonato da Silva

    Responder
  14. Por ELMO MENEZES ROSA

    Responder
  15. Por Leonardo Dos Reis

    Responder
  16. Por Fernando Araujo

    Responder
  17. Por claudia velloso

    Responder
  18. Por Edvilson Lopes

    Responder
  19. Por Edvilson Lopes

    Responder
  20. Por adriano

    Responder
  21. Por Selestino

    Responder
  22. Por Denise

    Responder
  23. Por 6mcif11
  24. Por João

    Responder
  25. Por Rosane Kaminski

    Responder
  26. Por bueno

    Responder
  27. Por bueno

    Responder
  28. Por maicon

    Responder
  29. Por Osnir Costa

    Responder
  30. Por José Otoni

    Responder
    • Por Moacir Souza

      Responder
  31. Por carla rosane

    Responder
  32. Por Cleyton Almeida Luz

    Responder
  33. Por Danilo

    Responder
  34. Por Carlos Feio

    Responder
  35. Por gabriel

    Responder
  36. Por FRANCISCO JOSE SALVADOR

    Responder
  37. Por Eduardo

    Responder
  38. Por reginaldo adriano marques

    Responder
  39. Por JF

    Responder
  40. Por Geraldo de Medeiros

    Responder
  41. Por Paulo Venancio

    Responder
  42. Por antnio marcos

    Responder
  43. Por adriano martins

    Responder
  44. Por Jubelo Loures da Conseiçao

    Responder
  45. Por flaviano ferreira lima

    Responder
  46. Por luis

    Responder
  47. Por Luiz Fernando

    Responder
  48. Por Maria

    Responder
  49. Por Roberta

    Responder
  50. Por Gilberto Oliveira

    Responder
  51. Por paulo

    Responder
  52. Por edmilson

    Responder
  53. Por Elizabete

    Responder
  54. Por BEATRIZ

    Responder
  55. Por Tathiane

    Responder
  56. Por Juca

    Responder
  57. Por Ezio Gusson

    Responder
  58. Por mariane pierrotti

    Responder
  59. Por everson

    Responder
    • Por Paulo

      Responder
  60. Por SOLANGE ZATTONI

    Responder
  61. Por Luiz Ikert

    Responder
  62. Por J. E. BAIOCCO

    Responder
  63. Por ADE AP P

    Responder
  64. Por otavio

    Responder
  65. Por wagner

    Responder
  66. Por ROSILENE DA SILVA

    Responder
  67. Por Edson Hamon S.Pereira

    Responder
  68. Por Manoel Messias

    Responder
  69. Por Julia Xavier de Oliveira

    Responder
  70. Por ODIRLEI OLIVEIRA

    Responder
  71. Por Campagnolo

    Responder
  72. Por carmen

    Responder
  73. Por jardel

    Responder
  74. Por severo rosa da silva

    Responder
  75. Por jonh von da slva cardoso

    Responder
  76. Por jose silva

    Responder
  77. Por juscelio camilo rocha

    Responder
  78. Por adriano silva

    Responder
  79. Por élbia Rodrigues

    Responder
  80. Por Antonio Carlos Simões Baltar

    Responder
  81. Por ezequiel

    Responder
  82. Por ezequiel

    Responder
  83. Por Erenita silva

    Responder
  84. Por marcia

    Responder
  85. Por Caio

    Responder
  86. Por joyce

    Responder
  87. Por joselio

    Responder
  88. Por Julio

    Responder
  89. Por jose

    Responder
  90. Por Bruno Silva

    Responder
  91. Por Rutinha

    Responder
  92. Por TEREZINHA

    Responder
  93. Por Wallace

    Responder
  94. Por MARCOS AURELIO

    Responder
  95. Por lu

    Responder
  96. Por Flávia

    Responder
  97. Por daiane

    Responder
  98. Por marcelo santos

    Responder
  99. Por Josielle

    Responder
  100. Por cristina s

    Responder
  101. Por Jeane

    Responder
  102. Por Kleber

    Responder
  103. Por Luiz Antonio da Silva

    Responder
  104. Por Osvaldo

    Responder
  105. Por katia frança

    Responder
  106. Por Eric Patrese

    Responder
  107. Por Eric Patrese

    Responder
  108. Por Eric Patrese

    Responder
  109. Por wagner

    Responder
  110. Por Norbert Zimmer

    Responder
  111. Por Richard Custódio

    Responder
  112. Por Natália

    Responder
  113. Por beloni b panison

    Responder
  114. Por marcio

    Responder
  115. Por Edson Souza

    Responder
  116. Por brunolopes

    Responder
  117. Por Jonatas marcondes

    Responder
  118. Por Anderson

    Responder
  119. Por Márcia Sicsú

    Responder
  120. Por Robson

    Responder
  121. Por LU

    Responder
  122. Por JUNIOR

    Responder
  123. Por José

    Responder
  124. Por Claudio

    Responder
  125. Por maycon roberto santos

    Responder
  126. Por Carlos

    Responder
  127. Por Carlos

    Responder
  128. Por Gerson Brandao

    Responder
  129. Por Paulo

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

38 Flares Twitter 0 Facebook 35 Google+ 3 Email -- 38 Flares ×