Música, Cultura e Sociedade.

4 Flares 4 Flares ×

“Prepare o seu coração, pra as coisas que eu vou falar… E posso não lhe agradar…”
(Geraldo Vandré; Disparada)

A música, de alguma forma,nexpressa o grau de desenvolvimento cultural e os problemas sociais das sociedades em que surgem, nos dando indícios, inclusive, do momento e do contexto socioeconômico que determinadas sociedades estão passando ou passaram. Na sociedade brasileira, na baiana, sobretudo, não poderia ser de outra forma.

No carnaval de Salvador, a música mais tocada – inclusive agraciada pela sociedade baiana, foi “Liga da Justiça”, cantada na folia momesca (e antes e depois, também) por várias pessoas de todos os credos, de todos os níveis culturais, enfim, de todas as castas, sem observarem as maléficas mensagens subliminares que são implantadas nas nossas crianças e jovens em processo de formação do caráter e de personalidade.

Ora, sem me remeter ao viés de imposições capitalistas e culturais, nem a pensamentos xenofóbicos, Superman e Mulher-Maravilha são super-heróis e, como tais, ícones da infância da maioria das pessoas que cantaram em alto e bom tom suas derrotas e fugas, sem falar que a “Liga da JUSTIÇA”, que é um grupo de super-heróis é também um ícone representativo do bem, que combate o mal, “tá toda dominada” (aí me lembro, de imediato, de um refrão, também “inocentemente” criado nos morros cariocas: “Tá dominado, tá tudo dominado…”).

Assim, chego à conclusão que a nossa música está, além de pessimamente composta, apológica ao crime, ao mal, afinal, Lex Luthor e Pinguim (que inclusive cometeram crime: “roubou (sic) o laço da mulher-maravilha”) não são, nem nunca foram, os mocinhos dessa história.

Desse modo, só posso interpretar que o Superman e Mulher-Maravilha são todas as pessoas que funcionalmente, ou não, deveriam promover o bem na sociedade – policiais, professores, promotores, magistrados, padres, pastores, dentre outros, que diante da crescente escalada de violência na nossa sociedade, estão fugindo amedrontadas, eximindo-se de exercerem o seu poder-dever para combaterem o mal e silenciando-se ante a morbidez social, o que causa bastante preocupação.

Parafraseando Martin Luther King: “O que me preocupa não é o grito dos maus; o que me preocupa é o silêncio dos bons!”, conclamo a todos, os bons, a não nos calarmos, a reclamar (aí me lembro de boa música, por sinal de um baiano: “Eu também Vou Reclamar”, de Raul Seixas) diante dos crescentes números de morte de jovens que são triturados, moídos pelo sistema – me vem à memória: “… Moinho de homens, que nem jerimuns amassados, mansos meninos domados, massa de medos iguais…” (Raimundo Sodré; A Massa) – que são abatidos e da aceitação disto como natural.

Faço um chamamento direto ao poder público constituído, aos seus integrantes, nós, funcionários públicos em geral, a sociedade civil organizada, a todos de bom coração, para assumirem uma postura mais ferrenha, não somente contra a má musica, pois esta é um reflexo da atual valorização dos violentos, da inversão de valores que impera na nossa sociedade. Mas, principalmente, contra estes e outros males e que tem sua gênese na ausência do Estado, no silêncio e na omissão daqueles que tem a obrigação de levantar não somente a voz, como também o escudo e a espada, para combater diretamente qualquer afronta ao bem comum, à convivência social harmoniosa.

Por fim, só me resta pedir aos céus proteção, pois diante desta denúncia da má qualidade da música baiana atual e dos males que afligem nossa sociedade, estou passível de ser “derrubado”, como, infelizmente, me lembra outra péssima música e, também, apológica ao crime: “Vai seu (todos cantam ‘SER’) derrubado, vai, vai, vai… Caguete (sic) descarado…”. E, “Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores” (olha aí: Geraldo Vandré novamente), antes que me taxem de fundamentalista extremista, e totalmente contrário à música atual e baiana, cito como menção honrosa, e como comprovação que ao menos a música baiana e brasileira ainda tem salvação, a boa música “Firme e forte”, por sinal, do mesmo autor de “Liga da Justiça”, o cantor e compositor Márcio Vitor que, como afirmado no início do texto sobre música, retrata problemas sociais vistos na nossa sociedade. E eu “estou firme e forte nessa batalha”!

*Fabiano Santos é estudante de Direito e Aluno-à-oficial da APM, atualmente no 2º ano.

Comments

  1. Por Fabiano Santos

    Responder
  2. Por Ewerton Monteiro

    Responder
  3. Por Fabiano Santos

    Responder
  4. Por Fabiano Santos

    Responder
  5. Por Ewerton Monteiro

    Responder
  6. Por Victor F. Fonseca

    Responder
  7. Por Ewerton Monteiro

    Responder
  8. Por Fabiano Santos

    Responder
  9. Por Al Of PM Galvão

    Responder
  10. Por Luciana

    Responder
  11. Por centurião

    Responder
  12. Por Fabiano Santos

    Responder
  13. Por Dalila - Sd PM

    Responder
  14. Por Fábio Nilo

    Responder
  15. Por julião petrukio

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

4 Flares Twitter 3 Facebook 1 Google+ 0 Email -- 4 Flares ×