Perseguições contra praças, agentes e outros inferiores hierárquicos

18 Flares 18 Flares ×

O policial falta a um serviço, e apresenta um atestado médico que aparentemente, ao seu chefe, parece não ter fundamento. Seu superior, “dando o troco” ao policial, emprega-o num posto de serviço “desprestigiado”. Um outro policial fala mal de seu comandante, que fica sabendo da fofoca, e resolve transferir o conversador para um município distante daquele em que reside. Um ocupante de cargo estratégico duma polícia é prestigiado por determinado governo, porém, assim que outro governo (de oposição ao anterior) assume, o gestor é designado a uma função menor, ou ao “corredor”.

Estes são alguns exemplos de práticas não raras de se ver em muitas polícias brasileiras, que envolvem questões profundas de ética profissional e respeito ao próximo. São algumas das manipulações existentes no rol das punições veladas que, creio, devem fazer parte também de outras instituições públicas e até mesmo privadas.

Naturalmente, esses atos só podem se dar partindo do superior para o subordinado: daí o porquê da reclamação de praças das polícias militares e agentes das polícias civis contra a “perseguição” de oficiais e delegados, entendendo o termo “perseguição” como colocar contra um profissional um conjunto de práticas que apesar de serem legais, a princípio, são incômodas e geram insatisfação. Quanto menor o grau hierárquico do policial, proporcionalmente, maior a possibilidade de ser vítima deste tipo de ação.

Com a facilitação do acesso à justiça – algo impensável em tempos menos democráticos – essas práticas têm se tornado menos comuns, apesar de fazerem parte do imaginário e do temor de boa parte dos policiais brasileiros (quanto deste temor é responsável pela “docilização” das polícias?). Principalmente nas polícias militares, onde a ordem primeiro é cumprida para depois ser discutida, os prejuízos com essas punições podem ser enormes para o indivíduo, mesmo que sejam revertidas posteriormente.

É claro que não se pode atribuir a prática de uma arbitrariedade a um posto ou graduação, sem saber quem é seu ocupante. Como um soldado irá praticar um abuso administrativo com um outro soldado, se a ele não é dado atribuição e poder para tal? Mas suspeito que o soldado que consegue, por exemplo, cometer abusos com os cidadãos em seu dia-a-dia na rua tende a cometer abusos com outros soldados, se a ele for dado este poder.

Como evitar que estas práticas ocorram? Criando mecanismos de efetivo controle contra os desmandos dos superiores em relação a seus subordinados. Quanto mais objetividade se cobrar nos procedimentos, melhor. Além disso, e principalmente, é preciso deixar claro que esta não é uma prática admissível, em nenhuma instância, e provocar a reforma da cultura que permite tais procedimentos. A cobrança objetiva aliada ao entendimento subjetivo dos profissionais da corporação policial.

Comments

  1. Por Salles

    Responder
  2. Por Nome Obrigatório

    Responder
  3. Por César Castro

    Responder
  4. Por César Castro

    Responder
  5. Por Oziel

    Responder
  6. Por Nome Obrigatório

    Responder
  7. Por Centurião

    Responder
  8. Por SD JESUS

    Responder
  9. Por Sd Pm Kilo

    Responder
  10. Por Ewerton Monteiro

    Responder
  11. Por pm 26 anos

    Responder
  12. Por pm 26 anos

    Responder
  13. Por pm 26 anos

    Responder
  14. Por Nome Obrigatório

    Responder
  15. Por POLICIAL MILITAR - PMAL

    Responder
  16. Por Centurião

    Responder
  17. Por SD Bruno

    Responder
  18. Por Oficial PMBA

    Responder
  19. Por SDPMCE

    Responder
  20. Por Nome Obrigatório

    Responder
  21. Por Ivanildo

    Responder
  22. Por Centurião

    Responder
  23. Por Oficial II

    Responder
  24. Por Pm Rio

    Responder
  25. Por SdPMAM Jones Leite

    Responder
  26. Por Nome Obrigatório

    Responder
  27. Por RAMALHO

    Responder
  28. Por Darwin

    Responder
  29. Por francisco alves

    Responder
  30. Por PC DO TOCANTINS

    Responder
  31. Por PC DA BA

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

18 Flares Twitter 8 Facebook 10 Google+ 0 Email -- 18 Flares ×