As fragilidades das UPPs

9 Flares 9 Flares ×
Policiais militares da UPP da Rocinha - Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

Policiais militares da UPP da Rocinha – Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

O tempo vai passando e os observadores da iniciativa das Unidades de Polícia Pacificadora no Rio de Janeiro lamentam o desgaste ascendente que as UPPs vêm sofrendo. Ao que parece, nem os policiais nem as comunidades conseguem enxergar um alinhamento justo entre o que a propaganda governamental publica e o que se vive na prática.

Não é por falta de torcida: desde quando o modelo foi divulgado comemorou-se a guinada da política de segurança pública para iniciativas comunitárias, não repressivas, com foco no respeito à cidadania e aos direitos fundamentais. O ponto fraco das UPPs, entretanto, foi acusado também desde o início, e se refere à capacidade de sustentabilidade das iniciativas.

As polícias possuem em sua cultura, organicamente, os mesmos princípios teóricos das UPPs? Seria possível, de fato, após a ocupação militar, que serviços públicos diversos fossem implantados permanentemente nas comunidades? A atuação de gangues armadas seria definitivamente anulada com a implantação das unidades? As condições de atuação e a segurança dos policiais possuem o mínimo necessário de atenção? Todas essas perguntas ou não foram respondidas pela experiência até agora ou suas respostas apontaram para a fragilidade do projeto das UPPs.

“Em que pé anda a transformação da polícia e das comunidades para que as UPPs valham a pena?”

Segundo pesquisa recentemente divulgada pelo Centro de Estudos de Segurança e Cidadania  do Rio de Janeiro (CESeC), a identificação dos policiais que trabalham nas Unidades com o projeto é bastante vulnerável:

Identificação dos policiais com as UPPs

A falta de adesão da tropa não se resume a simples anomia e indiferença, mas também a posturas inversas ao que é proposto pelo conceito das UPPs, minando assim a relação entre policiais e comunidade.

Protesto sobre o caso Amarildo

Comunidade da Rocinha protesta após o desaparecimento de Amarildo. Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

O Jornal Publico, de Portugal, publicou uma reveladora matéria mostrando a desgaste da relação entre policiais e os moradores da Rocinha, uma das favelas “agraciadas” com uma Unidade de Polícia Pacificadora. Foi lá que ocorreu o caso Amarildo, que ganhou repercussão nacional e foi tema de protestos em todo o país. Alguns pontos destacáveis do texto:

  • Com o desaparecimento do Amarildo, a opinião pública se coloca contra a polícia e agora o tráfico está dando cartas de novo. Tirando as ruas principais, eles é que estão dando as ordens;
  • Roberto (líder comunitário da Rocinha) acha que, de qualquer forma, as UPP “têm prazo de validade, a Copa e as Olimpíadas”, que a polícia está segurando o projecto até lá. “E já está ruindo.” Martins acrescenta: “O interesse em que dê certo é de todo o mundo, mas a UPP Social só ficou no nome.”;
  • “Tem cachorro morto, gato morto, sofá, lixo, baratas, doenças…”, diz Roberto. Há cartazes contra a tuberculose por toda a parte. Nas encostas a pique da Rocinha há casas e becos húmidos onde não chega luz. Há, por exemplo, esta boca do inferno que é o esgoto onde dois caminhos se bifurcam, um buraco negro, jorrando lixo, cheiro de podre;
  • O governo anuncia um teleférico para a Rocinha, mas não é o que a Rocinha precisa. “As pessoas não querem teleférico, querem saneamento”, diz Roberto. “Teleférico dá voto, saneamento não”.

Sob a pressão para a realização ordeira da Copa do Mundo e das Olímpiadas é bem possível que o governo do Rio de Janeiro mantenha os esforços de financiamento da política das UPPs, que até 2016 pode servir de medida emergencial de contenção das favelas. Mas após isso será que haverá insistência? E mesmo que haja, em que pé anda a transformação da polícia e das comunidades para que as UPPs valham a pena?

Hoje uma equipe de policiais civis foi encurralada no morro do Pavão-Pavãozinho por homens armados. Lá está instalada uma UPP, o que parece não garantir a estabilidade na comunidade. Para onde caminham as Unidades de Polícia Pacificadora?

Comments

  1. Por Leonardo Morais

    Responder
  2. Por Antonio

    Responder
  3. Por SD PM

    Responder
  4. Por Menezes

    Responder
  5. Por Sd Portella

    Responder
  6. Por Marcos Carvalho

    Responder
  7. Por JONATHAS

    Responder
  8. Por #Abaixoaolimitarismo

    Responder
  9. Por PR

    Responder
  10. Por Hélio

    Responder
  11. Por Anderson Santos Araújo

    Responder
  12. Por Sgt PM

    Responder
  13. Por PR

    Responder
  14. Por marcopolo

    Responder
  15. Por Sandro

    Responder
    • Por Marcos Carvalho

      Responder
  16. Por Sandro

    Responder
    • Por Luiz

      Responder
  17. Por PR

    Responder
  18. Por MANDACARU

    Responder
  19. Por PR

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

9 Flares Twitter 2 Facebook 7 Google+ 0 Email -- 9 Flares ×