Pesquisa no Rio estuda rejeição ao “Bandido Bom é Bandido Morto” 
Rio de Janeiro bate recorde de homicídios 
256 cidades do Estado de São Paulo não possuem Delegado 

Joabe Araujo

No momento em que se abrem as portas para o ingresso de novos policiais militares é oportuno fazer uma reflexão sobre a gestão da ética na Polícia Militar. Atualmente, a sociedade brasileira exige dos prestadores de serviços públicos grande cautela no desempenho de suas funções. A difusão cada vez mais rápida das informações, a grande velocidade e facilidade no acesso a mídia e a conscientização a respeito dos direitos dos cidadãos, requer dos funcionários públicos uma atuação baseada, sobretudo, na ética. Tratando-se da atividade policial militar, a atuação balizada por princípios éticos e morais bem fundamentados é imprescindível. O policial militar, no exercício de sua profissão, carrega consigo uma responsabilidade grandiosa, pois seus atos são capazes de deixar marcas – físicas ou psicológicas – que perduram na vida das pessoas. Ao desferir um soco, ao tratar qualquer indivíduo de forma humilhante, fazendo-se valer de sua autoridade, o miliciano expõe não só a confiança que a sociedade deposita nele, mas a de toda a corporação. Dessa forma, é necessário que a instituição trabalhe os princípios morais e éticos com bastante ênfase nos cursos de formação. A importância destes valores vai além dos conhecimentos teóricos e técnicos a serem utilizados pelos policiais. A própria seleção, anterior ao curso de formação, deve ser bastante criteriosa, buscando afastar aqueles que apresentem um perfil violento ou que possua histórico que o evidencie como de fácil manipulação, para que não venha a desviar-se pelo caminho do suborno. Portanto, a começar na própria seleção dos profissionais, a Polícia Militar deve ater-se a conduta ética, exigindo sempre do seu profissional um comportamento moral condizente com a função que desempenha, a fim de cultivar a confiabilidade da sociedade nas forças de segurança pública.