Justiça anula punição a policial que não deu “bom dia” a delegado 
Zeladora come chocolate de Delegado PF e é autuada por furto 
Novo sistema da PRF para registro de acidentes de trânsito 

Polícia Federal

Ocorrências policiais são caixas pretas: dificilmente se sabe ao certo todas as circunstâncias e detalhes que participaram dos fatos. A tecnologia tem ajudado a expor com maior nitidez algumas ações policiais, mas muitas ainda continuam permeadas pela dúvida, notadamente quando se trata de acusação de abuso policial - embora a imprensa geralmente anuncie certezas baseadas em verdades dissolvidas por qualquer questionamento crítico. É com este entendimento que começamos a analisar um caso que está repercutindo em toda a mídia baiana: a prisão de sete policiais militares baianos por terem realizado uma abordagem a um veículo em que estavam dois policiais federais. Segundo se sabe, uma guarnição da CIPE-Sudoeste, que realiza o trabalho de repressão a roubo a bancos no Sudoeste baiano (e não são poucos os casos desta modalidade de crime na região), recebeu a determinação de averiguar a presença de homens armados embarcados em uma caminhonete em determinada região. Ao encontrarem o veículo, realizaram a abordagem, tendo os dois policiais federais (um deles ex-tenente da PMBA) se identificado e informado que estavam armados. Aqui cessam as informações sobre o que teria ocorrido além da abordagem, mesmo porque, o próprio mandado que determina a prisão dos policiais não fala em abuso, constrangimento ou qualquer desvio dos policiais durante a abordagem. (mais…)
A prática permanente da impunidade no Brasil entre as figuras ocupantes de notórias posições públicas levou nossa sociedade à sede por punições a grandes políticos, empresários, juízes e outros "privilegiados". Em nosso país, contudo, não costumamos encontrar fontes que saciem nossas sedes, quando muito, nos aparece algum vendedor circunstancial de água, que, por algum preço, fornece uma garrafa finita contendo nossos anseios. É o que tem sido a Polícia Federal, nos episódios de prisão e investigação desses grandes figurões públicos brasileiros. Quando realiza suas operações, a PF não poupa esforços em dar visibilidade às ações. Além dos nomes curiosos – Satiagraha, Hurricane, Caixa de Pandora e a mais recente Operação Vauche - geralmente todas as câmeras possíveis se fazem presentes no momento em que as prisões e apreensões estão sendo desencadeadas – prisões fruto de investigações sigilosas, diga-se. E em todos esses momentos célebres, lá estão os suspeitos algemados, simbolizando a contenção das mãos que mexeram indevidamente com o dinheiro público – é esta ou não é a sensação do público? Não obstante, esta não é a justificativa para o uso das algemas, que devem servir tão somente para conter aquele que pode tentar resistir à prisão, trazendo risco principalmente aos policiais. Sempre que o risco de resistência for patente, é legítimo e até indispensável o uso da algema. (mais…)

Artigos relacionados