256 cidades do Estado de São Paulo não possuem Delegado 
A quantidade de PMs da reserva no Brasil 
Pernambuco tem alta histórica de homicídios 

Drogas

"Existe um Programa que vai lhe ajudar, Existe um amigo que vai lhe ensinar..." Trecho da Canção do PROERD O PROERD (Programa Educacional de Resistência às Drogas e a Violência) foi criado em Los Angeles, nos Estados Unidos, em 1983 com o nome de DARE (Drug Abuse Resistance Education) ou DARE América, através de uma parceria entre o Distrito Escolar Unificado e o Departamento de Polícia daquela cidade, para ser implantado nas escolas. O principal objetivo do programa é prevenir o uso indevido de drogas entre crianças e adolescentes em idade escolar. No Brasil, o programa iniciou-se pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) em 1992, a qual tinha interesse em desenvolver um projeto de prevenção relacionado aos diversos aspectos das drogas. Surgiu então a denominação de PROERD (Programa Educacional de Resistência às Drogas). Em seguida, no ano de 1993 o programa foi recepcionado pela Polícia Militar de São Paulo (PMESP) e passou a se chamar “Programa Educacional de Resistência às Drogas e a Violência”, porém mantendo a sigla PROERD. Daí em diante, o PROERD se multiplicou e hoje está em todas as Polícias Militares do nosso país. É um programa de caráter social preventivo, posto em prática pelas Polícias Militares, junto aos alunos do 5º ano que encontram-se na faixa etária de 09 a 12 anos de idade e dos adolescentes do 7º ano, na faixa etária de 12 a 14 anos de idade. O programa é aplicado nas escolas da rede de ensino público e privado, através do esforço cooperativo entre Polícia Militar, Escola e família, oferecendo atividades educacionais em sala de aula, que inserem nas crianças e adolescentes, a necessidade de desenvolver as suas potencialidades, ajudando a preparar cidadãos conscientes dos malefícios das drogas, e menos propensos aos efeitos da violência. (mais…)
O escritor inglês de The Doors of Perception (As Portas da Percepção), Aldous Huxley, afirmava que "Parece extremamente improvável que a humanidade, de um modo geral, jamais seja capaz de passar sem Paraísos Artificiais." A afirmação de Huxley parece bem atual e contextualizada com a escalada desenfreada da humanidade em busca desses "paraísos artificiais", sejam eles caracterizados culturalmente como lícitos ou ilícitos. O grande flagelo humano é que, na busca de abrir as portas da percepção, perde-se o controle, e abre-se na verdade uma espécie de "Caixa de Pandora", libertando-se todos os males íntimos, muitas vezes expressos em violências de todos os matizes, na desagregação da família, nas doenças da alma que encharcam a nossa selva de pedras social. É desta forma que o pretendido "Paraíso" acaba por se transformar em "Inferno" com adornos e facetas que nem mesmo Dante Alighieri na sua "Divina Comédia", ousou descrever. Alguns dos dados e fatos que mais chamam a atenção com relação ao mundo das drogas é que a maioria dos usuários e daqueles que estão diretamente ligados ao movimentado e brutal mundo do tráfico, são adolescentes e jovens, sem nenhuma perspectiva de futuro, a não ser os horrores das casas de acolhimentos de menores, a convivência diária com a guerra das facções, o confronto com as forças policiais, até o dia fatal, onde o seu corpo será fotografado com uma tarja no rosto e o seu nome será escrito apenas pelas iniciais... ("Olha ai, o meu guri..." – Chico Buarque) (mais…)

Artigos relacionados