Negar a condição humana para evitar a guerra? 
Pesquisa no Rio estuda rejeição ao “Bandido Bom é Bandido Morto” 
Rio de Janeiro bate recorde de homicídios 

Filmes Policiais

O Brasil já tem seu representante no Oscar 2010, "Salve Geral", protagonizado por Andréa Beltrão e dirigido por Sérgio Rezende. O filme se passa em maio de 2006, quando o Primeiro Comando da Capital sitiou a cidade de São Paulo, com mais de 25.000 presos rebelados, 251 ataques (inclusive a unidades policiais) e centenas de mortos. Leia o texto Ataques do PCC em São Paulo: 3 anos. "Salve Geral" está sendo acusado, antes mesmo de ter sido lançado nos cinemas, de criar um vínculo afetivo entre o público e os presidiários, crítica que é rebatida de modo veemente pelo blogueiro Jorge Antônio de Barros, o Repórter de Crime: Assim como "Tropa de Elite" foi considerado fascista porque mergulhou na visão estereotipada de um policial de unidade especial, há quem vá considerar "Salve Geral" um filme liberal por mostrar as estranhas do crime organizado. Esse caráter documental é que faz dele um filme excepcional. Quatro meses após os ataques de São Paulo, Sérgio Rezende decidiu fazer o filme concluído apenas três anos após o episódio. É o que eu chamaria de "instant-movie", um filme baseado em fatos reais. A realidade brasileira tem assunto para um "instant-book" por mês e um "instant-movie" por ano. Está aí o grande crítico de cinema José Carlos Avellar, que participou da conversa com Sérgio Rezende, no café do Unibanco Artplex, quinta-feira passada: - Nos últimos dez anos, o cinema brasileiro tem se especializado em histórias baseadas em fatos reais - diz Avellar. Assista a entrevista que o Jorge fez ao diretor Sérgio Rezende "Salve", na gíria de criminosos paulistas, significa "recado", o que nos leva a compreender bem o porquê de chamar aquele "11 de setembro brasileiro" como um "Salve Geral", título do thriller de Rezende. Leia a Sinopse do filme: No Dia das Mães de 2006, a cidade de São Paulo está sitiada. Ataques a delegacias de polícia, ônibus incendiados, ameaças a shoppings, metrô e aeroportos. Quem lidera a ação é o Comando, uma poderosa organização criminosa. No meio do caos está a viúva Lucia, uma professora de piano, de classe média, que passa por dificuldades financeiras e tem uma missão: tirar o filho adolescente da cadeia. Rafael, 18 anos, está preso por ter se envolvido num incidente que terminou com a morte de uma jovem. Nas visitas ao filho na penitenciária, Lúcia conhece Ruiva, advogada do Professor, líder do Comando. A empatia entre as duas é imediata e Ruiva começa a usar Lúcia em missões ligadas à sua organização. Lúcia precisa de dinheiro e por isso vai aceitando os desafios, no limite entre a legalidade e o crime. Paralelamente, o Comando vive uma acirrada luta interna de poder e ao mesmo tempo enfrenta o inimigo comum: o sistema penitenciário. A crise entre prisioneiros e o sistema carcerário se agrava e, numa demonstração de força, o governo transfere de uma só vez centenas de presos de alta periculosidade para presídios de segurança máxima do interior de São Paulo. A reação é imediata. O Comando envia seu código: Salve Geral. E São Paulo vira um inferno. Inspirado em fatos verídicos, ‘Salve Geral’ conta uma história de ficção das mulheres por trás do Comando e mostra que quando a lei e a ética são postas em questão o que impera é a força. Assista ao trailer de Salve Geral Seja qual for a visão estabelecida por Salve Geral, ter os holofotes na discussão dos problemas relacionados à segurança pública brasileira, notadamente ao sistema penitenciário, é sempre positivo. Recentemente, em Salvador, passamos por problemas parecidos aos de São Paulo, mas em menor escala. Isso demonstra que a sociedade brasileira ainda está sujeita a esse tipo de barbaridade, não obstante já passados três anos do ocorrido. A princípio, o filme já é um sucesso, pela discussão estabelecida. Falta ver, a partir de 02 de outubro nos cinemas, em quais perspectivas ela se localiza.
O filme ROTA Comando, que fala sobre as Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (ROTA), da PM de São Paulo, já tem data para ser exibido ao público: 01 de julho de 2009. Pelo menos é o que diz o site do filme, que traz sua sinopse: Baseado no livro "Matar e Morrer", de Conte Lopes. Nomes foram trocados e personagens criados para preservar a imagem dos envolvidos. Inspirado em fatos reais, o filme enfatiza as principais ocorrências da ROTA, através da história de três criminosos que se deram mal por espalharem o medo em São Paulo. Em uma perseguição, indivíduos atiram contra os policiais e no confronto a morte de um marginal que tinha várias passagens pela polícia. Na sequência a história de um bandido que veio do Rio de Janeiro para comandar o crime em São Paulo, um criminosos que estupra e mata sem piedade. E por último um traficante que passa a fazer sequestros por ter seu tráfico neutralizado pela operação saturação. ROTA Comando traz cenas emocionantes e muita ação com troca de tiros, perseguição, prisão e morte.É a realidade da ROTA e dos bandidos que a desafia. Abaixo os principais personagens do filme: ROTA Comando não será lançado nos cinemas, apenas em DVD's, que já podem ser comprados no site. O trailer, que já está na internet, traz algumas cenas que remetem ao inesquecível Tropa de Elite (policial dando tapa na cara, um homem sendo morto de joelhos, etc). Apesar disso, o diretor Elias Junior afirma que o filme foi concebido antes de Tropa, após o lançamento de Carandiru. Apesar das comparações, uma diferença logo se impõe: enquanto Tropa de Elite custou 10,5 milhões de reais, ROTA Comando tem o orçamento de apenas 500 mil reais. O trailer me deu boas impressões quanto ao cenário e a fotografia, mas parece enfatizar muito tiroteios, o que remete ao cinema americano e sua obssessão por trocas de tiros mentirosas (algo que Tropa de Elite não tem). Mas vamos aguardar até o dia 1º de julho para comentar o filme com justiça.
por Danillo FerreiraAo ver o anúncio dum filme de ficção baseado no seqüestro ao ônibus 174, fiquei sinceramente desconfiado quanto ao viés que seria adotado. Isso porque o documentário dirigido por José Padilha (o mesmo diretor de Tropa de Elite) me pareceu abordar o tema de maneira tão intensa que, após ele, qualquer obra que se aventurasse a narrar a vida de Sandro (protagonista do episódio) estaria repetindo o documentário. Além disso, a realidade exposta por Padilha é de tal modo assombrosa que nos leva a pensar que seja ficção. Daí porque tenho muitas reservas em relação a "Última Parada 174", do diretor Bruno Barreto, que foi exibido no Festival do Rio 2008 (veja trailer abaixo).Bruno Barreto, que também dirigiu os celebrados "Dona Flor e seus dois maridos" e "O que é isso companheiro" (este último tendo concorrido ao Oscar de melhor filme estrangeiro), tem consciência da dificuldade em tratar de Sandro e de seu atentado ao Ônibus 174. Ele deixa logo claro que o assalto ao ônibus é apenas o ápice de uma vida cheia de conflitos, e afirmou em entrevista que "Meu filme é a história de uma mãe que perde um filho e de um filho que perde a mãe.[...] Quantos filmes se fizeram sobre a guerra no Vietnã? Nenhum filme esgota um tema". O diretor aposta nas histórias dos personagens para desvincular o filme a uma repetição do documentário.Última Parada 174 está sendo cotado para concorrer ao Oscar de melhor filme estrangeiro – algo que Tropa de Elite não alcançou por motivos meramente temporais. O diretor José Padilha chegou a participar do projeto no início, se desvinculando em virtude de seus projetos pessoais, entre eles, Tropa de Elite. O filme, que custou R$ 8 milhões de reais, estreará no dia 24 de outubro nos cinemas, e trará atores como André Ramiro (o Matias de Tropa de Elite) e Michel Gomes, que trabalhou em Cidade de Deus. Além disso, Bruno Barreto decidiu empregar na obra atores e figurantes advindos de comunidades carentes.O ator Michel Gomes em Última Parada 174 - Foto: Divulgação.É inevitável a comparação do filme com seus congêneres – Cidade de Deus, Carandiru, Tropa de Elite, Ônibus 174, Falcão, etc. – já que todos eles tratam, em algum grau, da relação polícia x criminoso, ou de como estes últimos chegam a estabelecer-se em tal status. Acredito que Última Parada 174 não pode nem deve ignorar essas outras produções (nem estética nem tematicamente), mas espera-se sempre uma identidade própria, necessária a todo bom filme. No dia 24 de outubro poderemos contestar isso...
Um major da PM que trabalha como taxista: esta seria uma das três histórias de vida que Tropa de Elite 2 se propõe a narrar, segundo a Folha de São Paulo. Depois do imbróglio em torno da aceitação ou não do ator Wagner Moura para participar da nova versão, a notícia é que ele vai, sim, interpretar o Capitão Nascimento em Tropa de Elite 2. Como o Victor divulgou, a Revista Veja tinha publicado uma nota afirmando que o Capitão Nascimento se tornaria Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro: [...] A idéia é jogar o conflito entre policiais sérios e corruptos para a esfera do poder político. No novo filme, o capitão Nascimento estaria grisalho, teria 48 anos e seria promovido a secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro. Sua missão: acabar com a infiltração do crime na estrutura policial. [...] (Revista Veja nº 2078) Parece que a nota tem algumas incorreções, já que a Folha revelou mais recentemente que o Capitão estará com 40 anos, e que trabalhará na Secretaria de Segurança, não necessariamente como secretário. O roteiro será de autoria do ex-capitão da PMERJ, Rodrigo Pimentel, um dos autores de Elite da Tropa, livro que inspirou o primeiro filme. Wagner Moura: novamente como Capitão Nascimento. Tropa de Elite foi assistido por mais de 11 milhões de pessoas antes mesmo de estrear nos cinemas, através da versão pirata do filme, que vazou antes de ser lançado oficialmente. O vazamento, paradoxalmente, fez um bem à divulgação da obra. A empresa responsável pela divulgação do filme afirma que "se contabilizado como se fossem anúncios, as reportagens publicadas em mídia impressa e on-line entre agosto e novembro de 2007 seriam equivalentes a um investimento de R$ 11 milhões. O mesmo que o custo total do filme". Nas bancas de camelô não é difícil encontrar DVD’s com a inscrição "Tropa de Elite 2" (já vi até supostas 3ª e 4ª versões do filme), o que, na verdade, é nada menos que o documentário "Ônibus 174", também dirigido por José Padilha, ou até mesmo compilações de vídeos com treinamentos do BOPE da PMERJ. Que não se enganem, pois, os leitores. * * * Fernanda Machado (Maria) na VIP Para os fãs de Tropa de Elite, é impossível ignorar a beleza de Fernanda Machado, que no filme interpretou a universitária Maria, namorada de Mathias. A atriz está na capa da Revista VIP de outubro, em ensaio fotografado em Lisboa por seu próprio namorado, Marcelo Faustini. Clique na imagem abaixo para ver fotos exclusivas no site da VIP: Não é o primeiro ensaio sensual de Fernanda, que já pousou para a revista RG Vogue, também pelas lentes de seu namorado. Os marmanjos de plantão esperam ansiosamente um ensaio para a PLAYBOY... * * * Wagner Moura confirmado, Selton Mello convidado... O UOL divulgou uma matéria confirmando o ator Wagner Moura como Capitão Nascimento em "Tropa de Elite 2". Vejam: "Se tudo der certo para José Padilha, "Tropa de Elite 2" começa a ser rodado em janeiro de 2010. O diretor está escrevendo o roteiro com Bráulio Mantovani, que tem ficado bastante na ponte aérea São Paulo-Rio de Janeiro. Do elenco, somente Wagner Moura declarou, em entrevista ao jornal carioca O Globo, que fará novamente o Capitão Nascimento. O resto dos atores ainda não foi confirmado." Apesar da dúvida em relação aos demais atores, há a expectativa da participação de Selton Mello na trama, pelo menos foi o que divulgou o blog da Patrícia Kogut: Diretor de "Tropa de Elite", José Padilha convidou Selton Mello para o elenco da continuação do filme. O novo longa-metragem, intitulado "Tropa de Elite" 2, deverá ser rodado em janeiro. Wagner Moura estará de volta, no papel do Capitão Nascimento.
"Muito se tem discutido o quanto Tropa de Elite trás de realidade ou não. ‘A polícia é corrupta? A polícia tortura? Há ONG’s criminosas?’. Aspecto irrelevante a se discutir numa obra de arte, lembrando-me logo do que ocorre no livro Dom Casmurro: “Capitu traiu?”. O filme choca porque nos vemos, todos, sem exceção, ali. Ali vemo-nos matando homens, direta ou indiretamente, como policiais ou como usuários, como traficantes ou preconceituosos que apóiam a banalização da vida. Em mim foi suscitada a seguinte pergunta: quando a cultura da preservação da vida fará parte de nossa sociedade?" Danillo Ferreira *** "Marco inconteste da história do cinema brasileiro, o filme Tropa de Elite suscita em toda a sociedade uma revisão sobre determinados conceitos e preconceitos ligados à criminalidade e segurança pública, diagnosticando causas, conseqüências e quiçá curas para o que parece um câncer. Ressalta-se um aspecto, talvez involuntário, de que seu entendimento pleno e irrestrito tem o acesso egoisticamente restrito aos policiais militares." Victor Fonseca *** "O filme Tropa de Elite, tornou-se sensação e divide opiniões. Quando a sociedade aplaude a violência que o filme mostra, ela manifesta sentimentos humanos de repúdio, de vingança praticada "merecidamente" contra uma massa menos favorecida, de onde erroneamente se supõe nascer a criminalidade que atormenta, principalmente, seu grupo social. A violência vista na tela é aplaudida quando praticada contra os outros (de onde se supõe nascer a violência). Interessante também é o ponto de vista que o filme traz do policial que se propõe a realizar este tipo de conduta. Sua condição humana, de membro de família, integrante da sociedade, acometido de sentimentos, medos e suscetível a erros como qualquer um, o que serve como reflexão para a maneira que deve-se julgá-lo." Washigton Soares *** "Excelente filme. Com certeza há uma inequívoca intenção de explicitar uma série de mazelas sociais. ONG´s, políticos, as classes média e alta, universitários e mais contundentemente o BOPE da PMERJ, são os principais atores sociais mostrados no filme. Sem dúvida a intenção do filme é denunciar a brutal inversão de valores reinante na sociedade atual. Mais uma vez um Estado, um aparelho repressor, um anti-herói, demandas sociais, muitos interesses envolvidos, a sociedade pagando o pato, o status quo mantido, frases de efeito..." Marcelo Lopes *** "Assusta-me projetar um futuro em que as pessoas aceitam as arbitrariedades com as classes menos favorecidas, mesmo sabendo que muita gente inocente fica no meio do fogo cruzado. Na verdade, apesar de ter gostado de Tropa de Elite, ele só me acrescentou o detalhe de que a população do Brasil é tão alienada, que mesmo depois de uma "revelação" dessas, eles se preocupam mais com o modismo das músicas e jargões do que com um dos principais problemas de segurança pública do país." Daniel Abreu
por Daniel AbreuApesar de estar fazendo bastante sucesso antes do seu lançamento, o filme Tropa de Elite, que até então era uma tentativa fictícia de mostrar a rotina da Polícia Militar do Estado Rio de Janeiro, está retratando a pura realidade. Antes mesmo de sua estréia, a equipe de produção já foi vítima de um seqüestro, de roubo, e, é claro, da pirataria.Só para situar os leitores, cronologicamente falando, e isso, claro, para os mais desatentos, em novembro do ano passado, a equipe de filmagem do filme em questão foi seqüestrada e teve algumas de suas armas e materiais “apreendidos” pelos traficantes do morro Chapéu Mangueira, onde a gravação estava acontecendo.“Soubemos do roubo, que, na verdade, é uma cópia da fita, duas semanas antes de chegar ao comércio, há dois meses. Mas o que está à venda não é o filme, é o segundo corte. Hoje estamos no décimo sexto corte antes de levá-lo aos cinemas”, afirma José Padilha, diretor do Tropa de Elite, que inclusive já registrou o caso na Delegacia de Furtos e Roubos do Rio. Pra quem não sabe, a cópia da fita da qual o diretor está se referindo, é justamente a versão que está sendo pirateada por todo Brasil e vem se alastrado de forma assombrosa.A equipe do Abordagem Policial aderiu à campanha criada pelo blog Via Brasil:Para os mais curiosos que já assistiram, lembramos que a versão do cinema terá modificações e valerá a pena assistir novamente, até como forma de prestigiar os profissionais que fizeram este trabalho.Clique aqui para saber mais sobre o filme.

Artigos relacionados