Um Raio-X da atuação do Ministério Público brasileiro 
Qual a relação entre a violência cometida por jovens e sua escolaridade? 
Estudo mostra que maioria de menores infratores não tem pai em casa 

Especiais

"Muito se tem discutido o quanto Tropa de Elite trás de realidade ou não. ‘A polícia é corrupta? A polícia tortura? Há ONG’s criminosas?’. Aspecto irrelevante a se discutir numa obra de arte, lembrando-me logo do que ocorre no livro Dom Casmurro: “Capitu traiu?”. O filme choca porque nos vemos, todos, sem exceção, ali. Ali vemo-nos matando homens, direta ou indiretamente, como policiais ou como usuários, como traficantes ou preconceituosos que apóiam a banalização da vida. Em mim foi suscitada a seguinte pergunta: quando a cultura da preservação da vida fará parte de nossa sociedade?" Danillo Ferreira *** "Marco inconteste da história do cinema brasileiro, o filme Tropa de Elite suscita em toda a sociedade uma revisão sobre determinados conceitos e preconceitos ligados à criminalidade e segurança pública, diagnosticando causas, conseqüências e quiçá curas para o que parece um câncer. Ressalta-se um aspecto, talvez involuntário, de que seu entendimento pleno e irrestrito tem o acesso egoisticamente restrito aos policiais militares." Victor Fonseca *** "O filme Tropa de Elite, tornou-se sensação e divide opiniões. Quando a sociedade aplaude a violência que o filme mostra, ela manifesta sentimentos humanos de repúdio, de vingança praticada "merecidamente" contra uma massa menos favorecida, de onde erroneamente se supõe nascer a criminalidade que atormenta, principalmente, seu grupo social. A violência vista na tela é aplaudida quando praticada contra os outros (de onde se supõe nascer a violência). Interessante também é o ponto de vista que o filme traz do policial que se propõe a realizar este tipo de conduta. Sua condição humana, de membro de família, integrante da sociedade, acometido de sentimentos, medos e suscetível a erros como qualquer um, o que serve como reflexão para a maneira que deve-se julgá-lo." Washigton Soares *** "Excelente filme. Com certeza há uma inequívoca intenção de explicitar uma série de mazelas sociais. ONG´s, políticos, as classes média e alta, universitários e mais contundentemente o BOPE da PMERJ, são os principais atores sociais mostrados no filme. Sem dúvida a intenção do filme é denunciar a brutal inversão de valores reinante na sociedade atual. Mais uma vez um Estado, um aparelho repressor, um anti-herói, demandas sociais, muitos interesses envolvidos, a sociedade pagando o pato, o status quo mantido, frases de efeito..." Marcelo Lopes *** "Assusta-me projetar um futuro em que as pessoas aceitam as arbitrariedades com as classes menos favorecidas, mesmo sabendo que muita gente inocente fica no meio do fogo cruzado. Na verdade, apesar de ter gostado de Tropa de Elite, ele só me acrescentou o detalhe de que a população do Brasil é tão alienada, que mesmo depois de uma "revelação" dessas, eles se preocupam mais com o modismo das músicas e jargões do que com um dos principais problemas de segurança pública do país." Daniel Abreu
por Washington SoaresO Estado de Rondônia passou por relevantes momentos históricos até constituir-se como unidade da Federação, onde antes existia o Território Federal do Guaporé criado em 1943 e posteriormente passou a ser denominado Território Federal de Rondônia no ano de 1956, em homenagem ao sertanista Candido Rondon pioneiro na construção das linhas de correios e telégrafos na região, e só em 22 de dezembro de 1981 passou a ser denominado Estado de Rondônia. Criado do desmembramento de terras dos estados de Mato Grosso e Amazonas, terras estas fontes de disputas no séc. XVII pelas potências Portugal e Espanha em decorrência das jazidas de ouro encontradas na região, um dos fatos culminou na assinatura do tratado de Madri.No séc. XIX o denominado ciclo da borracha impulsionou a economia local atraindo povos de diversas partes do País, em sua maioria nordestinos, que foram chamados de soldados da borracha, importantes protagonistas neste momento, em que a região experimentou forte crescimento, além da construção de uma estrada de ferro (Madeira-Mamoré) oriunda do tratado de Petrópolis, para escoar a borracha entre Brasil e Bolívia.A região teve outros momentos de crescimento populacional nas décadas de 60 com a cassiterita, fonte do minério estanho, onde o Brasil, maior produtor mundial do minério, apresentava Rondônia respondendo por 70% da produção. Logo após são descobertas jazidas de ouro na região, o que colocou de novo a região em evidência, chamada por muitos de El dourado, onde só no ano de 1987 estimou-se a extração de mais de 8.000 toneladas de ouro, atraindo multidões em busca do enriquecimento fácil.Em meio a todos estes acontecimentos e ocupações predatórias, é criada a Polícia Militar, com integrantes da extinta Guarda Territorial, pela Lei Federal 6.270 de 26 de novembro de 1975 e regulamentada através do Dec. Federal nº 79.108 de 11 de Janeiro de 1977, ainda no Território Federal de Rondônia, e com a árdua missão de garantir a ordem, em meio ao ambiente de instabilidade gerada pela ocupação desenfreada da região. A Polícia Militar acompanhou esses momentos e não fraquejou em garantir a paz.Atualmente a Polícia Militar conta com um efetivo de cerca de cinco mil homens, sempre preocupada com a capacitação de seus integrantes e primando pela excelência na prestação de um serviço de qualidade, mantém o policiamento especializado nas áreas de fronteira, local crítico por se constituir ponto de ação de narcotraficantes, em que a missão é incansável além do policiamento ambiental importante devido às características do território, evitando a degradação das matas, tráfico de animais, a caça predatória dentre outras.Realiza o policiamento ostensivo com bicicletas, motocicletas, viaturas, além do policiamento de trânsito, a fim de trazer uma sensação de segurança à comunidade. Composta por indivíduos honestos, dedicados, amantes dos valores da vida militar, os policiais militares do Estado de Rondônia não medem esforços para construir, na medida de suas responsabilidades, uma sociedade mais justa e solidária.* * *Aproveitando a ocasião externo meus sinceros agradecimentos à briosa Polícia Militar do Estado da Bahia, em especial à Academia de Polícia Militar, pela recente homenagem prestada à PMRO, em que a bandeira do Estado de Rondônia foi hasteada junto às da Bahia e do Brasil. Foi lido um texto alusivo à PM co-irmã e a tropa desfilou em continência a maior autoridade presente e aos alunos oficiais daquele Estado em curso na Bahia, que assistiram do palanque de autoridades o desfile da Tropa da APM-BA.Fotos da solenidade:
por Daniel AbreuApesar de estar fazendo bastante sucesso antes do seu lançamento, o filme Tropa de Elite, que até então era uma tentativa fictícia de mostrar a rotina da Polícia Militar do Estado Rio de Janeiro, está retratando a pura realidade. Antes mesmo de sua estréia, a equipe de produção já foi vítima de um seqüestro, de roubo, e, é claro, da pirataria.Só para situar os leitores, cronologicamente falando, e isso, claro, para os mais desatentos, em novembro do ano passado, a equipe de filmagem do filme em questão foi seqüestrada e teve algumas de suas armas e materiais “apreendidos” pelos traficantes do morro Chapéu Mangueira, onde a gravação estava acontecendo.“Soubemos do roubo, que, na verdade, é uma cópia da fita, duas semanas antes de chegar ao comércio, há dois meses. Mas o que está à venda não é o filme, é o segundo corte. Hoje estamos no décimo sexto corte antes de levá-lo aos cinemas”, afirma José Padilha, diretor do Tropa de Elite, que inclusive já registrou o caso na Delegacia de Furtos e Roubos do Rio. Pra quem não sabe, a cópia da fita da qual o diretor está se referindo, é justamente a versão que está sendo pirateada por todo Brasil e vem se alastrado de forma assombrosa.A equipe do Abordagem Policial aderiu à campanha criada pelo blog Via Brasil:Para os mais curiosos que já assistiram, lembramos que a versão do cinema terá modificações e valerá a pena assistir novamente, até como forma de prestigiar os profissionais que fizeram este trabalho.Clique aqui para saber mais sobre o filme.
Com este post de abertura, inauguramos o nosso Blog. O Abordagem Policial nasceu em meio a interrogações, reticências e exclamações que - apesar de nem sempre sabermos ao certo qual o sinal gráfico a ser colocado no final de cada idéia - nos deixavam inquietos. Somos Alunos Oficiais da Policia Militar do Estado da Bahia, e, ao adentrarmos no universo da Segurança Pública, que a princípio se restringia, basicamente, às policias, quer sejam estaduais ou federais, começamos rapidamente a ter noção da amplitude dos diversos problemas que de forma inequívoca se relacionam com este tema. Lidar com o problema no dia-a-dia, ser, de certa forma, investido de poder e responsabilidade para fazer parte da solução dos problemas é uma situação inusitada. A partir do momento em que nos tornamos policiais militares, não podemos mais nos sentar para assistir um simples noticiário, sem que a sensação de responsabilidade pese sobre nossos ombros, mais do que nos outros; a cobrança passa a ser direcionada. E é assim que tem que ser, contudo, esta sobrecarga a mais, esta responsabilidade a mais, nos obriga a fazer reflexões constantes acerca de problemas que orbitam a Segurança Pública. Naturalmente, não somos cientistas. Apenas desejamos explorar este fantástico e abrangente meio para interagir com as pessoas que se preocupam e têm interesse no tema Segurança Pública e todas as suas implicações, como nós.

Artigos relacionados