12 cuidados para a prevenção de acidentes no trânsito 
5 fatores pouco conhecidos sobre a operacionalidade policial 
O Significado das Placas de Trânsito no Brasil 

Tutoriais

Com a abertura do Concurso para o Curso de Formação de Oficiais da Polícia Militar da Bahia, muitos candidatos possuem dúvidas acerca das características do curso, algo que é definitivo para permanecer na convicção de realizar o certame. Para esclarecer parte das dúvidas que diariamente chegam por email e comentários aqui no blog, trazemos este pequeno tutorial com perguntas frequentes, respondidas com base em informações institucionais e em nossa experiência: O que fazer para ingressar no CFO-PMBA? Primeiramente, você deve participar do Concurso, que atualmente está com as inscrições abertas até o dia 26 de agosto. Após se inscrever, você passará por uma bateria de testes, exames e provas, que medirão sua capacidade física, psicológica, social e intelectual para se tornar um aluno-a-oficial da Polícia Militar da Bahia. Lendo o edital do concurso você se assenhora de todos os requisitos e exigências para ingresso. Ter filho ou ser casado impede o ingresso no CFO? Não. O matrimônio bem como a paternidade ou maternidade não é impeditivo para a realização e permanência no CFO. Só é bom o candidato atentar para o fato de que terá uma rotina intensa de aulas e treinamentos durante o Curso, o que necessariamente exige certa dedicação além do comum. O "trote" é permitido na APM? Não. Na Academia de Polícia Militar o trote não é permitido. Os alunos-a-oficial neófitos são recepcionados no seu primeiro dia de vida acadêmica no portão principal, onde recebem as boas vindas do Diretor e são encaminhados pela comissão de recepção composta por Oficiais e alunos-a-oficial do último ano do CFO. Durante uma semana os alunos do 1° Ano do CFO retiram dúvidas e recebem instruções sobre a rotina na Academia, regulamentos, além de tomarem conhecimento da parte pedagógica. Qualquer prática que desvirtue este contexto pode, e deve, ser denunciado e coibido. (mais…)
Viajar com o mínimo de gasto é uma preocupação da maioria, concordam? Exceto alguns proprietários de poços de petróleo e outros raros afortunados, todos gostam de economizar combustível. Numa fase de comportamento "green" (os puristas acertadamente dizem: "verde"), que zela pela natureza, pelo uso racional dos recursos naturais e pela minimização da poluição, dar atenção às dicas a seguir é muito importante para a proteção da natureza e do bolso. De acordo com o Centro de Pesquisas da Petrobrás (CENPE), as seguintes dicas, se postas em práticas, reduzem interessantemente o consumo de combustível: 1. Velas gastas e sujas aumentam o gasto de combustível em 7,49%; 2. Filtro de ar sujo e velho aumenta em 6,20 %; 3. Transitar na marcha "banguela" (desengrenada ou "ponto morto") em veículos com injeção eletrônica, o consumo aumenta em 5,19%; 4. Em teste com duas janelas abertas, o consumo de combustível aumentou em 9,35%; 5. Peso inútil, tais como aquela mercadoria esquecida, ferramentas, equipamentos esportivos, ou algo semelhante geram gasto desnecessário, pois para cada 50 kg de "peso morto", o consumo é levado em 1%; 6. Em avaliação efetuada com pneus murchos, com 6 libras a menos do recomendado, durante a movimentação ocorreu um aumento de 17,80%, no consumo de combustível, além do gasto rápido da banda de rodagem dos pneus; 7. Bagageiro sobre o teto ("rack") aumenta o gasto em 10,80 %, lembrando que a legislação de trânsito proíbe que a altura da carga sobre o teto seja superior a 50 cm, a multa para a inobservância é de R$ 127,69, mais 5 pontos na habilitação do proprietário do veículo e retenção do veículo; 8. Respeitar a velocidade regulamentar, além de ser indispensável para a segurança, de acordo com o CENPE é importantíssimo para a economia, pois em teste efetuado aumentou em até 20% o gasto dos veículos que trafegam na velocidade de 100 km/h, em relação àqueles que transitam a 80 km/h; 9. Arrancar e frear bruscamente o veículo são comportamentos inimigos da economia, assim como acelerar no momento de desligar o motor do veículo; 10. O uso do equipamento de ar- condicionado na temperatura máxima gasta 20% a mais de combustível do que na temperatura média; 11. Planeje o percurso da viagem; itinerários desnecessários, além da perda de tempo, geram consumo inútil de combustível; 12. O Centro Tecnológico de Minas Gerais divulgou que na marcha errada, o gasto de combustível pode ser elevado em até 30%.
Dirigir um veículo em dia de ocorrência de geada, nos meses do inverno, não é algo tão simples para os condutores que residem no Sul do Brasil. Gelo na pista é uma situação adversa para a segurança no trânsito, diminui a segurança e exige cuidados especiais. Tome cuidado principalmente em pontes. Dicas importantes: 1. Prepare-se antes da viagem - use aditivos anticongelantes nos líquidos do veículo, conforme recomendação dos fabricantes; pneumáticos próprios; cobertores para você não congelar em caso de pane e, bateria em bom estado; 2. Espere aquecer o motor, antes de sair com o veículo - aqueça por aproximadamente 05 minutos o seu veículo, retire todo o gelo dos vidros do veículo e confira o funcionamento do desembaçador e do lavador do para-brisa ; 3. Dirija lentamente - Use a tração e frenagem do veículo de forma suave, sem ações bruscas e, mantenha uma distância frontal muito maior maior do que em situações normais, em relação aos outros veículos; 4. Freie lentamente - frenagens bruscas, são um convite para derrapagens e perda de controle do veículo; 5. Acelere com calma - pelo mesmo motivo anterior; 6. Mantenha a calma se o veículo derrapar - se a frente do veículo derrapar, coloque a alavanca de câmbio na posição neutra e, direcione as rodas para a direção em que você quer ir, sempre com muito cuidado; 7. Dirija de maneira uniforme e suave e não esqueça dos princípios de Direção Defensiva; 8. Transite com os faróis baixos ligados - os faróis baixo ligados, segundo órgãos especializados, aumentam em 64% a visibilidade dos veículos.
O risco nas ultrapassagens de veículos é um assunto que preocupa as autoridades e seus agentes de trânsito, condutores experientes e aqueles com pouca experiência. Somente nas Rodovias Federais (BRs), em 2011, a ultrapassagem incorreta foi responsável pela morte de 2.685 pessoas no país, ou seja, 31% do total de 8.660 pessoas mortas nessas vias, segundo o Denatran.Para aumentar o nível de segurança nos deslocamentos é importante ter conhecimento das regras sobre esse importante assunto, pois uma ultrapassagem mal conduzida pode resultar numa tragédia. O condutor que não pôr em prática as regras estabelecidas pela legislação de trânsito será um forte candidato a envolver-se num sinistro de trânsito. Antes da ultrapassagem é necessário que o condutor avalie: as características do veículo, as condições climáticas, as características da estrada, a experiência própria e seu estado emocional, a distância de visibilidade da ultrapassagem e o intervalo entre o veículo de direção contrária. Faça sinais luminosos trocando a luz baixa e alta, por pouco tempo, com o objetivo de alertar o outro motorista, pelos espelhos retrovisores do veículo dele, que será ultrapassado. Antes de iniciar a ultrapassagem e antes de retornar para a pista de origem, deverá ser efetuado sinal luminoso com os indicadores de mudança de direção ("pisca-pisca") ou gesto regulamentar com o braço esquerdo. É importante ter certeza de que nenhum condutor que venha atrás haja começado uma manobra para ultrapassá-lo; quem esteja à frente na mesma faixa de trânsito não haja indicado o propósito de efetuar ultrapassagem; a faixa de trânsito esteja livre numa distância suficiente para que sua manobra não ponha em perigo ou obstrua o trânsito que venha em sentido contrário, entre outras ações defensivas. Uma dica interessante para evitar sinistro com o veículo que está sendo ultrapassado: durante a manobra olhe várias vezes para o pneu dianteiro esquerdo do veículo, se o condutor sair da pista dele será possível notar imediatamente. (mais…)
1. O uso dos faróis baixos ligados durante o dia é recomendado pela Resolução n° 18/98 do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), pois ele auxilia na redução de sinistros no trânsito; 2. A NHSTA (Associação Norte-Americana de Segurança rodoviária, órgão dos EUA), afirma que o uso de farol baixo ligado durante o dia reduz em 12% os acidentes envolvendo pedestres e ciclistas e em 5% as colisões entre veículos; 3. Aumenta em mais de 64% a visibilidade dos veículos que estão com os faróis ativados, segundo pesquisas científicas realizadas por órgãos oficiais de renome internacional; 4. Mesmo em condições de boa luminosidade diurna, as cores e as formas dos veículos contribuem para dissimulá-los, o que atrapalha a sua visualização a uma distância segura para ações preventivas de acidentes; 5. "O maior percentual de mortes nas rodovias é por choque frontal, em tentativa de ultrapassagem; com o uso do farol baixo, o motorista consegue ver, de maior distância, se o veículo à sua frente está indo ou vindo em sua direção", afirma o diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Alfredo Peres da Silva; 6. Os pesquisadores do Centro de Pesquisas de Acidentes da Universidade Monash de Melbourne (Austrália) afirmam, após análise científica, que um veículo de cor preta tem 12% a mais de possibilidades de envolver-se em acidente durante o dia do que com a cor branca; (mais…)
O policial deve entender que os indivíduos que praticam tráfico de drogas nas periferias geralmente foram vítimas de circunstâncias sociais excludentes, que certamente possuem déficit afetivo-familiar, e que instituições e valores que devem estar presentes na educação de qualquer jovem lhe faltaram; O policial deve entender que seu serviço é de utilidade pública, e não pode ser interrompido, motivo pelo qual sempre que realiza greve a justiça decreta a ilegalidade do movimento, mesmo que a própria justiça, quando faz greve, não tenha seu movimento considerado ilegal; O policial deve entender que o governo tem limitações orçamentárias, e que a Lei de Responsabilidade Fiscal deve ser cumprida, em detrimento da concessão de salários dignos com o risco que a profissão policial propicia, mesmo quando se sabe de casos escandalosos de desvio de dinheiro público, ou gastos injustificáveis, no mesmo governo; O policial deve entender que a universidade ainda carrega traumas e estigmas dos tempos de exceção, e que até se aproveita deste receio para garantir certa liberalidade e desrespeito às leis em suas instalações e espaços; O policial deve entender que num sistema capitalista os jornais precisam, de alguma forma, ganhar dinheiro, e que a audiência dos veículos de comunicação é diretamente proporcional aos casos de violência que exibe, às vezes incentivando a repressão policial arbitrária, às vezes criticando qualquer ação de uso da força da polícia; (mais…)

Artigos relacionados