Pesquisa no Rio estuda rejeição ao “Bandido Bom é Bandido Morto” 
Rio de Janeiro bate recorde de homicídios 
256 cidades do Estado de São Paulo não possuem Delegado 

Associação

Quando nós, policiais, falamos em eleições, nos interessa logo saber as propostas dos candidatos para a questão salarial e algo um tanto genérico que chamamos de "condições de trabalho". Essa natural obsessão por saber o que se fará, diretamente, para a mudança de nossas vidas – algo que ocorre também em outras carreiras públicas – nos faz cometer um erro estratégico enorme, no que diz respeito ao alcance daqueles objetivos. Minha tese é: devemos cobrar e votar pela segurança pública, e não APENAS pela polícia, dado que somos uma parte do problema a ser resolvido, uma das essenciais, mas apenas uma parte. Confesso que fico um tanto invejoso das intervenções que algumas organizações de classe fazem em questões de alta repercussão, como a Ordem dos Advogados do Brasil. A OAB certamente é um ícone de entidade que, para além dos interesses meramente classistas, entendeu que pode e deve ter um papel fundamental nas discussões locais e nacionais que se referem a direito e justiça. A Ordem é respeitada e tem poder de voto e veto em questões cruciais que definem a trajetória do país. Ressalvadas as características administrativas próprias da OAB, sua história e composição, me pergunto por que os policiais brasileiros não possuem entidades com tamanho gabarito e credibilidade. Longe de mim defender a criação duma Ordem dos Policiais Brasileiros – somos muitos, exercendo funções distintas, e com peculiaridades que variam de acordo com a instituição a que pertencemos. Por ora, defendo entidades locais fortes, opinativas, preocupadas com a segurança pública, mas sempre traçando as perspectivas de intervenção pautadas na visão policial que representa. (mais…)