Os problemas com as armas Taurus 
Mulheres com medidas protetivas poderão acionar botão para chamar a polícia em Pernambuco 
Jovens são presos por desacato após comentar ações de policiais 

Balaclava

Policiais militares deveriam ter permissão para utilizar balaclavas nas incursões em áreas de alto risco. Balaclavas, brucutus ou toucas ninja são apetrechos de tecido com orifício nas vistas, e em alguns casos na boca, em cores condizentes com o uniforme, que encobrem a cabeça do policial dos cabelos ao pescoço, dificultando em muito seu reconhecimento facial. Áreas de alto risco são aquelas em que um confronto é iminente, dadas as características do terreno, os dados repassados pela Central durante o acionamento da guarnição ou qualquer outro indicador que aponte para uma ambiência de perigo considerável. Não se trata de pregar uma cultura de "assustar" a população, policial sorridente é para continuar existindo na porta do asilo, na travessia da escolinha e na praça do bairro. Essa é a hora de buscar aproximação e demonstrar boa disposição, idem para um momento de verificação em blitz de trânsito, prestação de socorro em acidente etc. O problema está na diligência para "estourar boca de fumo", cumprir mandado em favelas ou apoiar equipes em confrontos. Não bastasse o grande número de "olheiros" e pessoas mal intencionadas identificando policiais para posteriores retaliações injustas, muitas são as câmeras capturando fotos e imagens dos combatentes, que logo serão expostos em larga escala para olhos interessados em ataques e ameaças. Como a vulnerabilidade fora do serviço é grande, tem PM que evita determinadas diligências por precaução, temendo sofrer ataques posteriores como consequência da atuação. Estabelecendo-se critérios para o emprego deste acessório, e obviamente garantindo um mecanismo de identificação ostensiva, como um colete numerado, bem melhor do que a intimidade do nome do policial, parece ser o suficiente para desestimular excessos e possibilitar futuras apurações quanto a desvios disciplinares. Expor a face e o nome de quem bravamente enfrenta o crime pode ter como preço a morte de um pai de família exemplar, que deveria ser mais bem protegido pelas autoridades que lhes confiam missões de tão alto risco. Pela garantia da identificação e preservação do nome e imagem dos servidores na imprensa e nas ruas, policiais militares deveriam ter permissão para utilizar balaclavas.