Os problemas com as armas Taurus 
Mulheres com medidas protetivas poderão acionar botão para chamar a polícia em Pernambuco 
Jovens são presos por desacato após comentar ações de policiais 

Censura

A proibição da participação do Tenente Alexandre de Sousa e do Major Wanderby no III Encontro Anual do Fórum Brasileiro de Segurança Pública gerou insatisfação não entre os blogueiros policiais que se colocaram no lugar de ambos, mas de estudiosos do tema, jornalistas e de companheiros de profissão, inclusive policiais civis. Exemplo disso foi o protesto do Delegado da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Vinicius George — acessor do deputado Marcelo Freixo (PSOL) — no Encontro, onde ele afirmou que a medida se trata de "mais um tiro no pé da própria instituição, é um atraso secular, se opõe ao interesse da sociedade". Veja o vídeo de pouco mais de 40 segundos, gravado e divulgado pelo Repórter de Crime, com a fala do Delegado Vinicius: Enquanto organizações de todo o mundo buscam intensificar o relacionamento com seu público interno e externo, para aferir os anseios e deficiências dos seus integrantes e beneficiários, as polícias não podem se fechar em si mesmas, tentando impedir que, através de ferramentas como os blogs, seus servidores discutam melhorias para a própria organização. É óbvio que existem limites para a liberdade de expressão — os crimes contra a honra (calúnia, difamação, injúria), por exemplo, são alguns exemplos dessas limitações. Mas evitar que alguém fale temendo o rompimento desses limites é condenação prévea e ineficiente, já que está claro que a imagem das corporações policiais são mais atingidas quando agem cerceando e limitando as opiniões de seus agentes.