Pesquisa no Rio estuda rejeição ao “Bandido Bom é Bandido Morto” 
Rio de Janeiro bate recorde de homicídios 
256 cidades do Estado de São Paulo não possuem Delegado 

Finanças

As necessidades logísticas sensíveis que muitas polícias brasileiras sofrem passaram a exigir investimento maciço em equipamentos que são básicos para o desenvolvimento do serviço policial. Em alguns casos, de fato, muito precisa ser gasto para que o problema seja minimamente amenizado. Isto, entretanto, pode dar vazão a exageros orçamentários e até manipulações financeiras questionáveis. No caso a seguir, que tem gerado polêmica na Polícia Militar do Distrito Federal, a corporação se propôs a comprar 17 mil capas de chuva para a Copa do Mundo e a Copa das Confederações, pelo valor de R$315,00 cada. Note-se que o período em que a Copa irá ocorrer é de seca em Brasílias. Preocupação extrema com as condições de trabalho da tropa ou mau uso do dinheiro público? Confira detalhes: O governo do Distrito Federal vai gastar 5,35 milhões de reais com a compra de capas de chuva para policiais militares que farão a segurança da Copa do Mundo de 2014, marcada para acontecer de 12 de junho a 13 de julho -um período de forte seca em Brasília, quando a umidade do ar não ultrapassa os 30%. Nos últimos cinco anos, a partir de maio, a cidade passou, em média, 104 dias consecutivos sem chuva, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O valor da compra consta em uma tabela de aquisição de equipamentos e serviços da Secretaria de Segurança Pública, hospedado no site Transparência da Copa. O valor gasto com as capas de chuva é superior ao que se pretende investir em outros itens, como na compra de coletes à prova de balas, que sairão a 1,8 milhão de reais. A licitação prevê a compra de 17.000 capas de chuva ao preço médio de 315 reais cada uma. Para justificar o preço salgado, o comandante da Polícia Militar do Distrito Federal, Suamy Santana, afirma tratar-se de um produto de alta qualidade. "É uma capa especial, com sistema refletivo, que permite exercer a atividade policial, correr, pular muro, tem encaixe para painel balístico..." O comandante disse também que acredita numa redução de 20% a 25% no valor de cada peça durante a concorrência para compra das capas. Embora a informação esteja hospedada no site Transparência da Copa, o governo do Distrito Federal nega que os recursos utilizados serão os mesmos do caixa do evento. As autoridades distritais dizem que houve um erro na descrição das informações de gastos e explica que a verba sairia do Fundo Constitucional. Em nota, o governo do Distrito Federal afirma que "a capa de chuva é apenas um item do conjunto de equipamentos que está sendo adquirido para a corporação, e que integra o equipamento de proteção individual obrigatório para todo policial militar". O comunicado oficial afirma, ainda, que a reposição dos equipamentos faz parte de um programa para reequipar a polícia local. "Ou seja, é superficial a informação que o governo do Distrito Federal comprou capas de chuva para junho, apenas para a Copa das Confederações e a Copa do Mundo de 2014. Esse é um equipamento de uso permanente do policial militar, para seu trabalho cotidiano no DF e durante as operações especiais voltadas a esses megaeventos." Detalhe: a compra das capas de chuva foi cancelada e o Comandante Geral foi exonerado hoje.