Jovens são presos por desacato após comentar ações de policiais 
Rio de Janeiro já tem 50 policiais mortos em 2016 
Estudo mostra que maioria de menores infratores não tem pai em casa 

História

Cláudio Guerra, ex-delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) publicou recentemente um livro chamado "Memórias de uma Guerra Suja", onde admite ter matado pessoas a serviço do regime militar, e ter presenciado torturas e práticas criminosas das mais diversas naturezas - de incineração de cadáveres de mortos em tortura até execuções. Curiosamente, os relatos do ex-agente tiveram pouca repercussão na grande mídia, que mais destacaram supostas contradições nos relatos do "matador" - que se diz estimulado por sua religiosidade para assumir os erros cometidos - do que os fatos tenebrosos que se dispusera a falar. Cláudio Guerra foi entrevistado por Alberto Dines, do Observatório da Imprensa, e falou sobre aspectos do Regime precisam ser bastante refletidos sobre os policiais de hoje, e pela sociedade como um todo. A entrevista, que você vê logo abaixo, deve ter pelo menos quatro pontos destacados: 1. A Ideologia como forma de convencimento e manipulação daqueles que servem ao Regime, visando induzi-los a práticas como a tortura e a execução: entre os "dois lados" (governo e comunistas), apenas um deve viver; 2. A Fabricação de Ininimigos como forma de manutenção e perpetuação do poder: enquanto os "inimigos" existirem, continua sendo necessário que o Regime de exceção se mantenha instalado; 3. Os interesses de civis, empresários e setores da sociedade dominante que, embora não atuassem armados, incentivavam a repressão e financiavam o Regime; 4. A participação da imprensa, que, para além da sempre alegada censura, tinha membros que chancelavam a "Revolução de 64", vivendo nos bastidores do poder militar - Cláudio Guerra cita certo envolvimento da Globo e da Folha de São Paulo. Abaixo, a entrevista, que os policiais brasileiros devem assistir pensando no quanto são vulneráveis a mecanismos semelhantes nos dias de hoje, no contexto de outro tipo de repressão: