Durante a crise, empresas de segurança privada crescem no Brasil 
Governo Temer planeja endurecimento de penas no Brasil 
Como as crianças brasileiras percebem a violência? 

Leitores

Após a votação e aprovação dos reajustes e demais peculiaridades do Projeto de Lei 17.111, os ânimos parecem se acalmar na negociação entre as entidades representantes das polícias civil e militar da Bahia e o Governo do Estado. A Polícia Civil suspendeu a greve por 72 horas, isso porque o Governo, através da Secretaria de Relações Institucionais do Estado, resolveu reabrir as negociações. Segundo o jornal A Tarde, dentre outros temas, "será discutida a Lei Orgânica da Polícia Civil, que prevê novo plano de cargos e salários para a instituição". O Sindicato dos Policiais Civis (SINDPOC) não descarta a possibilidade de retorno da greve, caso as negociações não sejam satisfatórias. Por parte da PM, foi divulgado que "O presidente da Associação dos Sargentos de Ilhéus, Geraldo Pereira e o diretor jurídico da Associação de Policiais de Jequié e Região (Aspojer), soldado Deyvison Batista, condenaram hoje, durante reunião na Assembléia Legislativa, a decretação do estado de greve por policiais militares.". * * * No post anterior tivemos um comentário dum leitor denominado "Suez", reprovando o texto postado, afirmando que se teria feito uma apologia às ações do Governo da Bahia em relação às atuais questões salariais. Decidi que os comentários fossem apagados, por conter termos inadequados para o objetivo deste blog. Independentemente disso, sinto-me no direito e na obrigação de responder o comentário (não ao impropério, mas ao posicionamento que o leitor achou que tive). Por partes: 1 - Não sou a favor dos salários que atualmente os policiais militares da Bahia percebem. Essa é uma questão óbvia, clara, já descrita por mim mesmo em vários outros posts (quem lê o Abordagem há algum tempo sabe disso). Se eu, o Aluno-a-Oficial PM Danillo Ferreira, achasse o contrário, também exporia tal opinião aqui; 2 - O Abordagem Policial não é um "mero difusor de informação", tampouco faz "marketing sensacionalista", como o Sr. Suez frisou em comentários de outro blog policial. Mais uma vez o leitor peca por não acompanhar as postagens do blog, que vão desde comentários sociológicos/legais até curiosidades/informações sobre Segurança Pública; 3 - Os colaboradores do blog, os Alunos-a-Oficial Danillo Ferreira, Marcelo Lopes, Victor Fonseca, Washington Soares e Daniel Abreu, pretendem com este trabalho, discutir Segurança Pública. É puramente isso que nos interessa e nos motivou ao cria o Abordagem: produzir conhecimento através deste espaço - algo que as polícias militares de todo o Brasil carecem, para que não fiquemos a mercê dos chamados "formadores de opinião"; 4 - Uma mera informação que postamos tem o intuito de fomentar uma discussão. Ou seja: o texto postado é o início de uma dialética que esperamos ter continuidade através dos comentários - aqui no blog ou até na comunidade do orkut; 5 - Convidamos o Sr. Suez a expressar suas opiniões através do blog, sempre, mas de forma contida, sem o uso de termos degradantes, e, é claro, identificando-se. Se for Policial Militar principalmente: esse é o foco do nosso blog. A Coluna do Leitor está aberta, os comentários também, bem como a comunidade e o email. Se alguém acha que o blog está pecando, repito, terá toda a abertura para opinar e mudá-lo até mesmo tornando-se um colaborador. Esperamos, assim, a resposta do leitor Suez, sem leviandade, sem rivalidade nem intriga. Queremos conhecimento: é assim que fazemos uma segurança pública melhor.