Durante a crise, empresas de segurança privada crescem no Brasil 
Governo Temer planeja endurecimento de penas no Brasil 
Como as crianças brasileiras percebem a violência? 

PMAC

Parece que dentro do entendimento de algumas autoridades governamentais, os policiais militares não deveriam ter direito ao voto. Pode parecer exagero a afirmação, mas, de que adianta conceder a um cidadão(?) o direito de escolher um representante político se, ao mesmo tempo, não lhe resta a possibilidade de criticá-lo e cobrar o que julgar pertinente? No Acre, um sargento foi preso por criticar o governo em sua página no Facebook. E quando policiais denunciam que vivem em regime de exceção há quem ache exagerado: O sargento da Polícia Militar do Acre, Isaias Brito, foi preso na manhã desta quarta-feira como punição por comentários considerados ofensivos na página que o governador Tião Viana (PT) mantém no Facebook. A punição de cinco dias de prisão, que será cumprida no Batalhão de Policiamento Ambiental, em Rio Branco, envolve também um comentário contra o senador Aníbal Diniz (PT-AC). Homens da Divisão de Inteligência do gabinete Militar do governador acompanham diariamente os comentários que são postados na fanpage de Tião Viana. Ao receber o "relatório de inteligência", de caráter "reservado", com os comentários do sargento, no começo de março, o corregedor geral da PM, coronel Júlio César dos Santos, determinou a abertura de sindicância para apurar a conduta do policial. O sargento fez três comentários. O primeiro quando o governador agradeceu a Deus por ter visitado o município de Tarauacá para fazer a entrega de equipamentos de trabalho no valor de R$ 5 milhões a indígenas. Isaias Brito então aparece como o oitavo comentarista do post: "bando de idiotas e pu-saco esse cidadão não merece o respeito do povo do acre. se Deus quiser vai ser cassado muito em breve pelo TSE". Posteriormente, quando o governador elogiou pronunciamento do irmão, o senador Jorge Vina (PT-AC), e se referia ao senador Sérgio Petecão (PSD-AC) como "aquele Senador, perdido, em busca de qualificação parlamentar mínima", o sargento reagiu: "Quem é o Aníbal Diniz? um poste colocado em Brasília para defender os interesses da quadrilha". O terceiro comentário do sargento foi feito quando o governador, em Brasília, anunciou que foram aprovados R$ 251 milhões para mobilidade e saneamento e agradeceu à presidente Dilma, ao prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre (PT), e ao senador Jorge Viana. O sargento aproveitou para criticar o programa de calçamento denominado pelo governador de Ruas do Povo. - Mais dinheiro para as ruas do povo? vai precisar mesmo afinal as ruas foram feitas no ano passado este ano já precisam ser refeitas. Eu quero ver o senhor cumprir a promessa de pavimentar todas as ruas do estado até 2014 – desafiou. Durante a sindicância, o sargento Isaias Brito negou a autoria dos comentários e apresentou um sobrinho como responsável. O policial alegou que o perfil dele no Facebook ficava aberto no computador de sua casa e que isso teria facilitado o uso indevido da rede social. O sargento, que é militante do PSDB, esperava o benefício da dúvida para não ser punido. Após a sindicância, os comentários do sargento foram considerada como "transgressões disciplinares de natureza grave", mas foi decidido que sua ficha permanece no comportamento "bom". A prisão ocorre sem prejuízo da escala de serviço. - Enquanto durar a punição será concedido o período de duas horas para cada refeição do punido. Seja posto em liberdade na parada matinal do dia 15 de abril do corrente ano – escreveu o major Roberto Marques da Silva, comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar, onde trabalha o sargento.