Os problemas com as armas Taurus 
Mulheres com medidas protetivas poderão acionar botão para chamar a polícia em Pernambuco 
Jovens são presos por desacato após comentar ações de policiais 

PMAC

Parece que dentro do entendimento de algumas autoridades governamentais, os policiais militares não deveriam ter direito ao voto. Pode parecer exagero a afirmação, mas, de que adianta conceder a um cidadão(?) o direito de escolher um representante político se, ao mesmo tempo, não lhe resta a possibilidade de criticá-lo e cobrar o que julgar pertinente? No Acre, um sargento foi preso por criticar o governo em sua página no Facebook. E quando policiais denunciam que vivem em regime de exceção há quem ache exagerado: O sargento da Polícia Militar do Acre, Isaias Brito, foi preso na manhã desta quarta-feira como punição por comentários considerados ofensivos na página que o governador Tião Viana (PT) mantém no Facebook. A punição de cinco dias de prisão, que será cumprida no Batalhão de Policiamento Ambiental, em Rio Branco, envolve também um comentário contra o senador Aníbal Diniz (PT-AC). Homens da Divisão de Inteligência do gabinete Militar do governador acompanham diariamente os comentários que são postados na fanpage de Tião Viana. Ao receber o "relatório de inteligência", de caráter "reservado", com os comentários do sargento, no começo de março, o corregedor geral da PM, coronel Júlio César dos Santos, determinou a abertura de sindicância para apurar a conduta do policial. O sargento fez três comentários. O primeiro quando o governador agradeceu a Deus por ter visitado o município de Tarauacá para fazer a entrega de equipamentos de trabalho no valor de R$ 5 milhões a indígenas. Isaias Brito então aparece como o oitavo comentarista do post: "bando de idiotas e pu-saco esse cidadão não merece o respeito do povo do acre. se Deus quiser vai ser cassado muito em breve pelo TSE". Posteriormente, quando o governador elogiou pronunciamento do irmão, o senador Jorge Vina (PT-AC), e se referia ao senador Sérgio Petecão (PSD-AC) como "aquele Senador, perdido, em busca de qualificação parlamentar mínima", o sargento reagiu: "Quem é o Aníbal Diniz? um poste colocado em Brasília para defender os interesses da quadrilha". O terceiro comentário do sargento foi feito quando o governador, em Brasília, anunciou que foram aprovados R$ 251 milhões para mobilidade e saneamento e agradeceu à presidente Dilma, ao prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre (PT), e ao senador Jorge Viana. O sargento aproveitou para criticar o programa de calçamento denominado pelo governador de Ruas do Povo. - Mais dinheiro para as ruas do povo? vai precisar mesmo afinal as ruas foram feitas no ano passado este ano já precisam ser refeitas. Eu quero ver o senhor cumprir a promessa de pavimentar todas as ruas do estado até 2014 – desafiou. Durante a sindicância, o sargento Isaias Brito negou a autoria dos comentários e apresentou um sobrinho como responsável. O policial alegou que o perfil dele no Facebook ficava aberto no computador de sua casa e que isso teria facilitado o uso indevido da rede social. O sargento, que é militante do PSDB, esperava o benefício da dúvida para não ser punido. Após a sindicância, os comentários do sargento foram considerada como "transgressões disciplinares de natureza grave", mas foi decidido que sua ficha permanece no comportamento "bom". A prisão ocorre sem prejuízo da escala de serviço. - Enquanto durar a punição será concedido o período de duas horas para cada refeição do punido. Seja posto em liberdade na parada matinal do dia 15 de abril do corrente ano – escreveu o major Roberto Marques da Silva, comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar, onde trabalha o sargento.