Durante a crise, empresas de segurança privada crescem no Brasil 
Governo Temer planeja endurecimento de penas no Brasil 
Como as crianças brasileiras percebem a violência? 

PMSE

O Abordagem Policial continua acompanhando as notícias acerca do concurso de soldados da Polícia Militar de Sergipe (PMSE) que tende a ter seu edital lançado ainda neste ano. Desta vez, foi o Comandante Geral da corporação que se pronunciou, admitindo o déficit de efetivo da PM sergipana: O esperado concurso para o preenchimento de 600 vagas da Polícia Militar de Sergipe ainda não tem previsão de acontecer. O edital está pronto, já foi encaminhado para análise da Secretaria de Estado do Planejamento (Seplag), porém falta o órgão retornar o processo para que possa ser divulgado a data de realização. Enquanto ao concurso não é liberado, falta policiamento nas cidades de Sergipe. O comandante geral da Polícia Militar, coronel Maurício Iunes (foto), confirma a deficiência de efetivo, mas diz que o problema está sendo contornado com o remanejamento de policiais da parte administrativa para a ronda, além de convocar os policiais para o trabalho, com pagamento através da Gratificação por Atuação em Eventos (Grae). Quando for oficializado o concurso público, serão destinadas 540 vagas para homens e 60 para mulheres. Com toda esta cobertura da imprensa e o questionamento de entidades de classe e até políticos sobre o concurso, a tendência é que o edital saia o quanto antes. O certo é que os candidatos que desejam uma vaga devem permanecer com os estudos intensos. Continue acompanhando o Abordagem Policial para saber mais sobre este e outros concursos.
Dada a escassez de efetivo por que passa a Polícia Militar de Sergipe, as pressões políticas para a realização do concurso de admissão para o Curso de Formação de Soldados PMSE já se iniciam. A Associação dos Militares do Estado de Sergipe (AMESE) e o Deputado Estadual Capitão Samuel se manifestaram publicamente cobrando a realização do certame: Na manhã desta terça-feira, 16, o deputado estadual capitão Samuel (PSL/SE), realizou pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa para cobrar do Governo do Estado o concurso público que foi prometido para este mês. Na oportunidade o parlamentar deu início à campanha publicitária idealizada por ele com o mote "Concurso já para Polícia Civil, Bombeiro e Polícia Militar" e solicitou o apoio da sociedade em geral em especial dos jovens e das pessoas que foram alvos da falta de segurança vivenciada em nosso Estado. "De vários anúncios feitos pelo Governo do Estado de aumentar o efetivo das Polícias de Sergipe, vários meses, vários anos, o anúncio feito pelo Governo foi para o mês de outubro e justamente chegamos hoje no dia 16 e o anúncio feito sequer foi publicado o edital para que as pessoas tenham conhecimento de data e de inscrição. Fui ao interior do Estado e percebi que a escala que foi feita para as eleições, os policiais militares trabalharam três dias seguidos, o militar trabalhou 72 horas seguidas", declarou o deputado. Leia mais... A falta de policiais militares e bombeiros militares já está sendo notada pela população sergipana. Isso tem causado um certo clima de insegurança, já que o trabalho ostensivo que é feito pelos PMs, acaba sendo prejudicado pelo baixo numero de policiais à disposição do comando. Preocupados com a situação e com o pequeno número de militares, o presidente e vice-presidente da Amese, sargentos Jorge Vieira e Edgard Menezes, dizem que não vêem solução para o problema, a não ser a realização de concurso publico de imediato para a policia e bombeiros militares. Os representantes de classe, dizem que não há como “fazer um trabalho ostensivo de qualidade com esse contingente que a PM tem hoje. Todos os dias vários policiais vão para a reserva remunerada (aposentadoria), alem disso, há os desviados de função e ainda os que estão de licença médica. Por isso defendemos que se faça o concurso publico de imediato para que posse aumentar o numero de PMs e BMs em nosso estado”, explica o presidente da Amese, sargento Jorge Vieira. Leia mais... Tais pressões ajudam os candidatos, já que garantem a atenção da sociedade e do governo para a carência de efetivo da corporação. O importante é não abandonar os estudos... Continue acompanhando o Abordagem Policial para ter mais informações sobre concursos policiais em todo o Brasil.
Uma matéria escrita por um colunista da imprensa sergipana nesta semana atesta a necessidade de efetivo da Polícia Militar de Sergipe, que vem anunciando a abertura do concurso para 600 vagas de soldado PM ainda neste ano. Segundo Munir Darrage, autor do texto, a corporação corre risco de "ser extinguida", caso não abra logo concursos: Em média, 120 policiais militares vão para a reserva todos os meses, sem contar os que estão com várias férias vencidas. O efetivo da policia militar do estado de Sergipe está ficando cada vez menor e isso pode complicar ainda mais a segurança publica, já que o número de militares para fazer o policiamento ostensivo não é suficiente. Em menos de uma semana, foi publicado no Boletim Geral Ostensivo (BGO) o nome de 46 policiais militares que foram reformados, ou seja, foram para a reserva remunerada da corporação. Na última quinta-feira foram 38 e nesta quarta-feira mais 8 PMs foram aposentados. Diariamente é publicado no BGO os nomes dos PMs que são aposentados, além daqueles que estão afastados do serviço por outro motivo, a exemplo de férias, doença, processos e outros. Dessa maneira, com um efetivo de pouco mais de 4 mil homens, sendo que disponíveis e aptos ao trabalho seriam em torno de 3 mil, a escala de serviço começa a apertar e com isso o militar passa a prestar um serviço que muitas vezes não agrada a população. Embora o esforço do comandante geral, coronel Mauricio Iunes, não se nota a diminuição no índice de criminalidade no estado. Isto por conta do pequeno número de militares à disposição do comando, que mesmo querendo e se esforçando, não tem conseguido frear o crime. No início, quando assumiu o comando, o coronel Iunes conseguiu trazer para a corporação alguns desviados de função, porém, não foi o suficiente, e isso somado ao número de militares que vão para a reserva diminui o efetivo. Exemplo disso foi a publicação feita no BGO na semana passada, onde constava que o déficit de soldados na corporação era em torno de 3 mil soldados. Isso significa que o governo do estado não está tendo mais prazo para realizar o concurso, já que mesmo que isso seja feito, o aprovado só estará pronto e apto para o trabalho, no mínimo, seis meses depois. Ou o governo realiza o concurso imediatamente, ou a criminalidade vai tomar conta do estado. A expectativa dos candidatos é que o edital para o CFSd da PMSE seja publicado nas próximas semanas. Continue acompanhando o Abordagem Policial para obter novidades, informações, dicas e material deste e de outros concursos...